Notícias, Notícias das Unidades de Conservação

Revista Brasileira de Ecoturismo publica artigo sobre perfil de visitação em comunidade da Resex de Cururupu

A Revista Brasileira de Ecoturismo, produzida pela Sociedade Brasileira de Ecoturismo, publicou no último mês o artigo “Perfi l da visitação na Ilha dos Lençóis, comunidade de pescadores tradicionais, Reserva Extrativista de Cururupu (MA)”. O estudo é resultado de um projeto de pesquisa dos analistas ambientais Carolina Alvite, atualmente na Coordenação Regional (CR) 9; Marcelo Vidal e Oscar Borreani, do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação da Sociobiodiversidade Associada a Povos e Comunidades Tradicionais (CNPT) e Eduardo Borba, da Reserva Extrativista (Resex) de Cururupu.

A pesquisa foi desenvolvida pelo CNPT em parceria com a Resex de Cururupu (MA) e com os moradores da Ilha dos Lençóis. No estudo, os analistas apresentam o turismo de base comunitária como uma alternativa de visitação nas Reservas Extrativistas, categoria de Unidades de Conservação onde a presença de populações tradicionais é permitida, incorporando não apenas o patrimônio natural, mas também o patrimônio cultural e o modo de vida das comunidades. Essa forma de fazer o turismo possibilita as relações de hospitalidade, intercâmbio cultural, protagonismo e fortalecimento da autoestima das
comunidades e também a conservação ambiental, como valor intrínseco aos seus modos de vida.

O artigo caracteriza a visitação na Ilha dos Lençóis, comunidade de pescadores tracionais inserida na Resex de Cururupu, englobando aspectos como o perfi l do visitante, a organização e motivação da viagem, a forma de estadia e principais atrativos procurados, e sugere ações para o manejo do uso público na área. “Constatamos que o visitante da Ilha dos Lençóis não valoriza apenas as belezas naturais, mas também o enorme patrimônio cultural existente na comunidade. É um público compatível com a proposta de turismo de base comunitária, mostrando para o Instiuto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) que há demanda e que é possível ampliar o leque de oportunidades de visitação nas Unidades de Conservação de Uso Sustentável brasileiras”, afi rmou Carolina Alvite, que coordenou a pesquisa.

O projeto contou com o apoio fi nanceiro do Projeto PNUD BRA/08/023, por meio de edital de projetos de pesquisa da Diretoria de Pesquisa, Avaliação e Monitoramento da Biodiversidade (Dibio/ICMBio). O artigo pode ser acessado em http://migre.me/n8CJK.

* Publicado no Informativo ICMBio em Foco 323