Notícias, Notícias das Unidades de Conservação

Associação das Mulheres Agroextrativistas comemora conquistas sociais no Amazonas

A sede social da Associação das Mulheres Agroextrativistas do Médio Juruá (Asmamj), inaugurada no dia 11 de junho na comunidade Nova Esperança, da Reserva Extrativista (Resex) Médio Juruá (AM), celebrou várias conquistas sociais da Unidade de Conservação (UC) durante o mês.

A chefe da Resex, Rosi Batista, disse que a construção da sede social era um sonho das mulheres extrativistas da UC, assim como o curso de produção de sabonete artesanal, realizado de 11 a 14 de junho com apoio do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), do Fundo Médio Juruá e da Universidade Federal do Amazonas (Ufam). “No Médio Juruá, as mulheres sempre participaram do movimento social e discutiram a necessidade de se organizar para participar dos processos de tomada de decisão”, afirmou.

Na ocasião, a comunidade São Raimundo recebeu reunião setorial do Projeto da Associação dos Moradores Extrativistas. Foram debatidos Associação das Mulheres Agroextrativistas comemora conquistas sociais no Amapá o fortalecimento comunitário e a vigilância das praias de tabuleiros usadas para desova dos quelônios e dos lagos reservados para manejo do pescado. A equipe do Projeto Pé de Pincha falou sobre os resultados das pesquisas que apontam o crescimento da população de quelônios na região e ressaltaram a importância de reforçar a vigilância nas praias, além de aumentar a fiscalização.

Outro benefício conquistado foi a assinatura, no dia 5 de junho, do Contrato de Concessão de Direito Real de Uso (CCDRU) coletivo de bens imóveis pertencentes ao patrimônio público do estado do Amazonas. Por meio da Associação dos Produtores Rurais de Carauari (Asproc), fica regularizada a utilização de terras públicas de domínio do estado do Amazonas pelas populações tradicionais. “Este fato garante mais benefícios sociais e de permanência nas terras. O mais importante é que o CCDRU é por tempo indeterminado, o que foi considerado pelas comunidades um fato inédito”, destacou Rosi.

Crédito: Acervo Resex Médio Juruá

Matéria publicada no ICMBio EM FOCO no dia 27/06/2014