Notícias, Notícias das Unidades de Conservação, Notícias dos Parceiros do Arpa, Notícias sobre o Arpa

Arpa contrata consultoria para Avaliação Ecológica Rápida da Resex Chico Mendes (AC)

O Programa Áreas Protegidas da Amazônia (ARPA), maior iniciativa de proteção de florestas tropicais do mundo, tem como objetivo a expansão e fortalecimento do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC) na Amazônia, a partir da proteção de 60 milhões de hectares na Amazônia – 12% da região, assegurando recursos financeiros para a gestão destas áreas e contribuindo para o desenvolvimento sustentável regional.

Criado em 2002, é coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) e financiado com recursos do Global Environment Facility (GEF)/Banco Mundial, do governo da Alemanha/KfW, do Fundo Amazônia/ BNDES, WWF-Brasil e setor empresarial (Natura e O Boticário), além de contrapartida do Governo Federal e governos estaduais, que totalizarão 395 milhões de dólares.

O Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (FUNBIO) é a instituição responsável pelo gerenciamento dos recursos financeiros, pelas atividades de aquisições e contratações para as unidades de conservação (UCs) e pela gestão de ativos do Fundo de Áreas Protegidas (FAP), um fundo fiduciário que irá garantir a continuidade das ações em longo prazo.

As empresas/instituições interessadas deverão manifestar-se até o dia 02 de abril de 2015, demonstrando que são qualificadas para desempenhar os serviços descritos no Termo de Referência (TdR), apresentando comprovação de capacidade técnica adquirida a partir da realização de trabalhos que se enquadrem no perfil descrito para a realização da avaliação em questão.

Os documentos deverão ser enviados por e-mail para jose.mauro@funbio.org.br, identificados como “Manifestação de interesse Consultoria PJ_ RESEX Chico Mendes_ AER_e indicando o NOME da sua Instituição”.

Somente serão selecionados para participação no processo, as empresas e instituições que cumprirem com os requisitos solicitados.

O processo será conduzido em acordo ao Manual para Contratações e Aquisições do Funbio, disponível no site do Funbio. Os recursos para pagamento dos serviços advêm do contrato assinado entre o KFW e o Funbio para a implementação do Programa Áreas Protegidas da Amazônia (ARPA) fase II.

Para ter acesso ao Termo de Referência (TdR), clique aqui.

O Funbio entrará em contato, solicitando as propostas, somente com as empresas cujas manifestações de interesse em realizar o serviço forem selecionadas.

Notícias, Notícias das Unidades de Conservação, Notícias dos Parceiros do Arpa

ICMBio resgata 121 tartarugas em Roraima

© Todos os direitos reservados. Foto: Samuel Rodrigues

Uma operação de fiscalização conjunta entre o Parque Nacional do Viruá (RR) e a Polícia Militar Ambiental (CIPA-PM/RR), resgatou 121 tartarugas adultas que estavam em poder de traficantes, no último sábado (7/3). Os animais da espécie Tracajá (Podocnemis unifilis) foram encontrados em cativeiro escondido na mata, próximo à Unidade de Conservação, no município de Caracaraí (RR).

De acordo com Samuel Rodrigues, um dos integrantes da ação, os Tracajás resgatados teriam sido capturados pelos traficantes em áreas remotas, distantes do local do flagrante. “Essas tartarugas vinham do Rio Anauá e estavam sendo transportadas pelo Rio Baruana, para despistar a fiscalização, mas foram surpreendidos”, comentou.

Os integrantes da quadrilha fugiram quando perceberam a chegada da equipe de fiscalização. Mas, os suspeitos já haviam sido identificados. “A quadrilha era investigada há meses. A partir de uma denúncia, ativamos a operação. Levou uma semana até localizarmos o cativeiro e resgatar as tartarugas”, informou Beatriz Ribeiro, analista ambiental do Parque Nacional do Viruá.

Beatriz explicou que devido à forte estiagem deste ano, resultado do El Niño, o nível dos rios está muito baixo e a seca prolongada, o que facilita a captura desses animais. “Mas graças à estratégia adotada, nesse verão, as ações já resultaram no resgate de 377 tartarugas adultas e na soltura de mais de 46.000 filhotes”, ressaltou.

Sucesso das operações geram mais denúncias
Para o chefe do Parque Nacional do Viruá, Antonio Lisboa, o sucesso das ações resultaram num número maior de denúncias por parte das comunidades locais. “As apreensões têm grande repercussão local, o que vem estimulando a confiança e disposição das pessoas em denunciarem.

As ações de combate ao tráfico de tartarugas na região ocorrem desde 2011 e têm alcançando importantes resultados. Foram apreendidos e soltos 1.003 animais no período de 2012 a 2014. Neste verão, mais 377 animais foram devolvidos à natureza, números recordes para toda a região amazônica, segundo os registros do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais renováveis (Ibama). “Já são mais de 1300 tartarugas adultas devolvidas com vida ao Rio Branco, o que significa a garantia de muitas novas gerações de filhotes”, comemora Lisboa.

Ele destaca que os números positivos se devem a uma série de fatores como o trabalho em parceria com outras instituições, às estratégias de inteligência (investigação prévia), o uso de equipamentos próprios (que reduz custos e garante maior sigilo), trabalho noturno em finais de semana, além de muita determinação e foco nos resultados por parte das equipes. As ações, que foram custeadas pelo Programa Áreas Protegidas da Amazônia (Arpa) seguem até o final do verão, quando encerra o período de estiagem e desova das tartarugas na região.

Sobre o Parque Nacional do Viruá
Criado em 1998, no município de Caracaraí (RR), o Parque Nacional do Viruá abrange 227 mil hectares de uma região de extrema importância para a conservação da biodiversidade brasileira. Nessa Unidade de Conservação estão localizados os mais extensos mosaicos de campinas e campinaranas (tipos de vegetação) do mundo. Esses ecossistema, sustentam altíssima diversidade de espécies da fauna, especialmente peixes, aves e mamíferos, além de abrigar inúmeras nascentes de rios em áreas de grande fragilidade ambiental.

Programa Áreas Protegidas da Amazônia
O Parque Nacional do Viruá é uma das Unidades de Conservação (UC) apoiadas pelo Programa Áreas Protegidas da Amazônia (Arpa). O Programa foi criado com o objetivo de expandir e fortalecer o Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC) na Amazônia, proteger 60 milhões de hectares, assegurar recursos financeiros para a gestão destas áreas a curto / longo prazo e promover o desenvolvimento sustentável na região.

* Matéria assinada por Lorene Lima e publicada no site do ICMBio em 10/03/2015

Notícias, Notícias das Unidades de Conservação, Notícias dos Parceiros do Arpa

Assembleia reúne castanheiros do rio Unini (AM) para definição de metas da safra 2015

Reunindo cerca de 70 cooperados e comunitários, a Fundação Vitória Amazônica (FVA) em parceria com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), realizou entre os dias 23 e 24 de fevereiro, o 3º Encontro de Castanheiros do Rio Unini, a 4ª Assembleia Geral Ordinária da Cooperativa Mista Agroextrativista dos Moradores do rio Unini (Coomaru).

Os eventos realizados na comunidade Vista Alegre (AM), pautaram as principais definições e metas da safra 2015, a proposição de novas regras de uso  que regem a coleta de castanha da Amazônia integrantes no plano de gestão da Reserva Extrativista (Resex) do rio Unini, além da realização das eleições para o novo conselho administrativo e fiscal da Coomaru.

Segundo o coordenador do Programa Desenvolvimento Humano Integrado (PDHI) da FVA, Ignácio Oliete Josa, a reunião também foi um momento de integração e balanço das atividades cooperativistas desenvolvidas durante o ano de 2014.

“O encontro de castanheiros foi importante para revisar todos os acordos e tudo que foi executado desde 2009, visto que, o ano de 2014 foi decisivo para o negócio com a Central de Beneficiamento e a cooperativa operando comercialmente”, explicou.

Ainda de acordo com Oliete Josa, com maior empoderamento dos castanheiros nos negócios cooperativos e aumento da experiência produtiva e comercial, junto com as exigências higiênico-sanitárias do mercado, os cooperados dedicaram mais esforços no controle de qualidade dos processos ainda mais rigorosos, além de aprendizado e alinhamento constante com as questões operacionais.

“A eleição da nova diretoria e conselho fiscal mostrou este envolvimento cada vez maior dos cooperados. Com uma equipe que integra pessoas antigas e novas, a segunda diretoria desde a criação da Coomaru, foi empossada com a intenção de dar continuidade ao trabalho de fortalecimento cooperativo e associativo”, ressaltou o coordenador.

Para o novo diretor presidente da cooperativa, João Evangelista, o cooperativismo é o braço econômico da Associação de Moradores do Rio Unini (Amoru), e que as duas juntas são fundamentais para a gestão e uso sustentável da bacia.

Mercado

O coordenador frisou que, o mercado principal de venda da castanha do rio Unini ainda é Manaus e outros municípios do Amazonas, porém devido seu alto valor agregado de comercialização, a procura pelo produto expandiu para pontos fora do Estado como, Bahia, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul.

Para Oliete Josa, estes esforços de vendas continuarão ao longo de 2015 com a nova diretoria da cooperativa. Neste sentido, um contrato comercial entre a FVA e a Coomaru foi assinado com propósito de fortalecimento da aliança em benefício do negócio cooperativo da castanha no rio Unini. Pelo acordo, a FVA presta serviços nas áreas de vendas e administrativos à Coomaru, possibilitando acesso oa mercado das comunidades ribeirinhas da Amazônia.

Beneficiamento

A FVA apoia projetos socioambientais na Resex do rio Unini, com o fortalecimento da cadeia produtiva da castanha da Amazônia e de outros produtos. A da implementação da Central Agroextrativista da União dos Moradores do Rio Unini (Caumoru) como a fábrica de beneficiamento de castanha, localizada na comunidade do Patauá/AM dentro do Rio Unini, possibilita expandir a agregação de valor a outros produtos da sociobiodiversidade e aumentar a geração de renda.

A iniciativa beneficia atualmente famílias de nove comunidades, reunindo aproximadamente 92 cooperados, na Safra 2015, além de manter a produção de castanha beneficiada, espera-se novas experiências para a agregação de valor de banana, aproveitando a tecnologia de desidratação para a produção de ‘banana passa’.

* Originalmente publicado no site da FVA

 

Notícias, Notícias das Unidades de Conservação, Notícias dos Parceiros do Arpa, Notícias sobre o Arpa

Arpa contrata serviço para elaboração de projeto audiovisual para a ESEC de Maracá (RR)

O Programa Áreas Protegidas da Amazônia (ARPA), maior iniciativa de proteção de florestas tropicais do mundo, tem como objetivo a expansão e fortalecimento do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC) na Amazônia, a partir da proteção de 60 milhões de hectares na Amazônia – 12% da região, assegurando recursos financeiros para a gestão destas áreas e contribuindo para o desenvolvimento sustentável regional.Criado em 2002, é coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) e financiado com recursos do Global Environment Facility (GEF)/Banco Mundial, do governo da Alemanha/KfW, do Fundo Amazônia/ BNDES, WWF-Brasil e setor empresarial (Natura e O Boticário), além de contrapartida do Governo Federal e governos estaduais, que totalizarão 395 milhões de dólares.O Fundo Brasileiro para biodiversidade é a instituição responsável pelo gerenciamento dos recursos financeiros, pelas atividades de aquisições e contratações para as unidades de conservação (UCs) e pela gestão de ativos do Fundo de Áreas Protegidas (FAP), um fundo fiduciário que irá garantir a continuidade das ações em longo prazo.

Para participar do processo de seleção, as empresas/instituições interessadas deverão manifestar-se até o dia 13 de março de 2015, demonstrando que são qualificadas para desempenhar os serviços descritos no Termo de Referência, apresentando comprovação de capacidade técnica adquirida a partir da realização de trabalhos que se enquadrem no perfil.

Os documentos deverão ser enviados por e-mail para alessandro.oliveira@funbio.org.br, identificados como “Manifestação de interesse_Serviço PJ_ Projeto Audiovisual da ESEC Maracá”.

Clique aqui para visualizar o Termo de Referência.

Somente serão selecionados para participação no processo as empresas e instituições que cumprirem com os requisitos solicitados.

O processo será conduzido em acordo ao Manual para Contratações e Aquisições do Funbio, disponível no nosso site. Os recursos para pagamento dos serviços advêm do contrato assinado entre o KFW e o Funbio para a implementação do Programa Áreas Protegidas da Amazônia (ARPA) fase II.

O Funbio entrará em contato, solicitando as propostas, somente com as empresas cujas manifestações de interesse em realizar o serviço forem selecionadas.

* Publicado no site do Funbio em 13/02/2015

Notícias, Notícias das Unidades de Conservação, Notícias dos Parceiros do Arpa, Notícias sobre o Arpa

Arpa contrata consultoria para levantamento do potencial florestal madeireiro e não madeireiro da RESEX Rio Cautário (RO)

O Programa Áreas Protegidas da Amazônia (ARPA), maior iniciativa de proteção de florestas tropicais do mundo, tem como objetivo a expansão e fortalecimento do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC) na Amazônia, a partir da proteção de 60 milhões de hectares na Amazônia – 12% da região, assegurando recursos financeiros para a gestão destas áreas e contribuindo para o desenvolvimento sustentável regional.

Criado em 2002, é coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) e financiado com recursos do Global Environment Facility (GEF)/Banco Mundial, do governo da Alemanha/KfW, do Fundo Amazônia/ BNDES, WWF-Brasil e setor empresarial (Natura e O Boticário), além de contrapartida do Governo Federal e governos estaduais, que totalizarão 395 milhões de dólares.

O Fundo Brasileiro para biodiversidade (FUNBIO) é a instituição responsável pelo gerenciamento dos recursos financeiros, pelas atividades de aquisições e contratações para as unidades de conservação (UCs) e pela gestão de ativos do Fundo de Áreas Protegidas (FAP), um fundo fiduciário que irá garantir a continuidade das ações em longo prazo.

Para participar do processo de seleção, as empresas/instituições interessadas deverão manifestar-se até o dia 11 de março de 2015, demonstrando que são qualificadas para desempenhar os serviços descritos no Termo de Referência, apresentando comprovação de capacidade técnica adquirida a partir da realização de trabalhos que se enquadrem no perfil.

Os documentos deverão ser enviados por e-mail para alessandro.oliveira@funbio.org.br, identificados como “Manifestação de interesse_consultoria PJ_ Levantamento do Potencial Florestal da RESEX Rio Cautário”.

Clique aqui para visualizar o Termo de Referência.

Somente serão selecionados para participação no processo as empresas e instituições que cumprirem com os requisitos solicitados.

O processo será conduzido em acordo ao Manual para Contratações e Aquisições do Funbio, disponível no nosso site.

Os recursos para pagamento dos serviços advêm do contrato assinado entre o KFW e o Funbio para a implementação do Programa Áreas Protegidas da Amazônia (ARPA) fase II.

O Funbio entrará em contato, solicitando as propostas, somente com as empresas cujas manifestações de interesse em realizar o serviço forem selecionadas.

* Publicado no site do Funbio em 13/02/2015

Notícias, Notícias das Unidades de Conservação, Notícias dos Parceiros do Arpa, Notícias sobre o Arpa

Arpa contrata serviços de condução de embarcações para a REBIO do Jaru (RO)

O Programa Áreas Protegidas da Amazônia (ARPA), maior iniciativa de proteção de florestas tropicais do mundo, tem como objetivo a expansão e fortalecimento do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC) na Amazônia, a partir da proteção de 60 milhões de hectares na Amazônia – 12% da região, assegurando recursos financeiros para a gestão destas áreas e contribuindo para o desenvolvimento sustentável regional.Criado em 2002, é coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) e financiado com recursos do Global Environment Facility (GEF)/Banco Mundial, do governo da Alemanha/KfW, do Fundo Amazônia/ BNDES, WWF-Brasil e setor empresarial (Natura e O Boticário), além de contrapartida do Governo Federal e governos estaduais, que totalizarão 395 milhões de dólares.O Fundo Brasileiro para a biodiversidade (FUNBIO) é a instituição responsável pelo gerenciamento dos recursos financeiros, pelas atividades de aquisições e contratações para as unidades de conservação (UCs).O Funbio solicita que empresas/instituições interessadas manifestem-se até o dia 09 de março de 2015, demonstrando que são qualificadas para desempenhar os serviços descritos na Especificação Técnica, apresentando comprovação de capacidade técnica adquirida a partir da realização de trabalhos para serviços de condução de embarcação.

Clique aqui para ler a Especificação Técnica.

Os documentos deverão ser enviados por e-mail para jose.mauro@funbio.org.br, identificados como “Manifestação de interesse_Serviços para condução de embarcações e indicando o NOME da sua Instituição”.
Somente serão selecionados para participação no processo, as empresas e instituições que cumprirem com os requisitos solicitados e que tiverem apólice de seguro para os serviços a serem contratados.
O processo será conduzido de acordo com o Manual para Contratações e Aquisições do Funbio disponível no site www.funbio.org.br.
Os recursos para pagamento dos serviços advêm do contrato assinado entre o KFW e o Funbio para a implementação do Programa Áreas Protegidas da Amazônia (ARPA) fase III.
O Funbio entrará em contato, solicitando as propostas, somente com as empresas cujas manifestações de interesse em realizar o serviço forem selecionadas.

*Publicado no site do Funbio em 02/03/2015

Notícias, Notícias dos Parceiros do Arpa, Outras Notícias

ICMBio lança edital para serviços de regularização fundiária

O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) lançou Aviso de Licitação para contratação nacional de serviços de apoio à regularização fundiária, na terça-feira (3). A ação faz parte de uma nova estratégia institucional para ampliar a capacidade operacional do Instituto na implantação das Unidades de Conservação (UCs) a partir da sua etapa fundamental, que é a regularização fundiária.

O objetivo é contratar uma empresa especializada em engenharia consultiva, que será responsável pela caracterização da situação fundiária, o georreferenciamento e a avaliação de imóveis e a instrução de processos com vista à obtenção de imóveis, desapropriação ou doação. O edital está disponível aqui ou no Comprasnet. A entrega das propostas deverá se realizada até 5 de março.

Consolidação territorial
Para a efetividade das Unidades de Conservação é necessária a regularização da sua situação fundiária. Quando uma nova UC é criada os imóveis existentes não são transferidos automaticamente, para o órgão gestor. No caso nas áreas protegidas federais, são necessárias a identificação e transferência de domínio ou da posse de todos os imóveis para o ICMBio.

A consolidação territorial de uma Unidade de Conservação possibilita a implantação de planos de manejo, de infraestrutura, do uso sustentável etc. Nos últimos anos, o ICMBio tem empreendido diversas iniciativas para avançar nesta questão.

Processo ganha agilidade
Outras iniciativas compõem a nova estratégia de consolidação territorial das Unidades. Em 2014, foram realizados três cursos de capacitação com a participação de 59 servidores do ICMBio. Nos próximos meses, será implantado o processo eletrônico de regularização fundiária, que permitirá maior agilidade, segurança, controle e transparência aos processos administrativos.

Segundo João Arnaldo Novaes, diretor de Ações Socioambientais e Consolidação Territorial em UCs (Disat/ICMBio), “a expectativa desse conjunto de ações é multiplicar muitas vezes a capacidade da instituição de executar com maior agilidade e eficiência a necessária regularização fundiária dos imóveis privados situados no interior das Unidades de Conservação federais”.

Avanços do ICMBio em regularização fundiária
Historicamente, fatores como a complexa legislação, a falta de padronização dos procedimentos de regularização fundiária, a carência de pessoal especializado, os limitados recursos financeiros, entre outros, dificultaram a aquisição de terras em Unidades de Conservação. Por isso, um grande volume de áreas de UCs ainda permanecem sob domínio privado.

Para orientar o trabalho, é utilizada a “Cartilha de Regularização Fundiária de Unidades de Conservação Federais”, que demonstra, na prática, todos os passos a serem adotados pelos proprietários, posseiros e pelo ICMBio na instrução das ações de desapropriações e indenizações de ocupações.

Em 2014, o ICMBio recebeu recursos oriundos da compensação ambiental – mecanismo financeiro de compensação dos impactos ambientais identificados no processo de licenciamento ambiental de empreendimentos. Esses recursos são destinados prioritariamente para a regularização fundiária de UCs, e a expectativa é que ocorram novas destinações expressivas nos próximos anos.

Segundo João Arnaldo, promover a consolidação territorial das Unidades é um grande desafio para o ICMBio e exigirá melhoria da capacidade operacional do órgão. “A temática específica e complexa impossibilita o atendimento da demanda sem um suporte técnico e operacional à gestão das Unidades, para assim podermos ampliar os resultados de instrução de processos, elaboração de laudos e aquisição dos imóveis”, afirmou o diretor.

* Matéria assinada por Ivana Brito e publicada no site do ICMBio

Notícias, Notícias das Unidades de Conservação, Notícias dos Parceiros do Arpa, Notícias sobre o Arpa

UC RESEX Cazumbá-Iracema (AC) recebe missão de avaliação do Arpa

Por Daline Pereira

Nos dias 28 e 29 de janeiro, aconteceu na Unidade de Conservação (UC) Reserva Extrativista Cazumbá- Iracema (AC) a primeira missão de avaliação do Arpa em campo de 2015. Durante a visita, os participantes conheceram os desafios e as conquistas da atual gestão da UC em relação às metas do Programa.

Representantes do Ministério do Meio Ambiente, do Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio), do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e do Banco Mundial, além do presidente do Comitê do Fundo de Transição do Arpa e do consultor de avaliação externa do Arpa, participaram da missão. Em diálogo com o grupo, Tiago Juruá, gestor da Reserva Extrativista, ressaltou que a Unidade é uma das 10 UCs consideradas altamente implementadas em recente relatório do TCU sobre UCs na Amazônia – dessas, cinco são apoiadas pelo Programa.

Participantes da missão de avaliação do Programa Arpa na RESEX Cazumbá-Iracema. Foto: Thiago Barros

Por outro lado, segundo Tiago Juruá o baixo número de gestores da UC dificulta a execução de determinadas ações. O grupo da missão conheceu de perto as dificuldades da comunidade para viver do extrativismo devido ao baixo valor da borracha no mercado. Não obstante, os moradores locais se mostraram altamente receptivos ao aprendizado de novas tecnologias que agreguem valor aos produtos.

Em diálogo com os moradores locais, os participantes da missão de avaliação do Programa Arpa tiveram a oportunidade conhecer seu alto grau de articulação e mobilização. A história de criação da Reserva Extrativista relacionada à luta dos moradores também foi tema do encontro.

Saiba mais
Missões de avaliação do Programa Arpa – Realizadas a partir de uma demanda dos doadores, as missões de avaliação do Arpa acontecem anualmente. Acesse aqui as atas das últimas missões e leia aqui a notícia sobre a missão de campo anterior.

 

 

Notícias, Notícias das Unidades de Conservação, Notícias dos Parceiros do Arpa, Notícias sobre o Arpa

Arpa contrata consultoria para a elaboração do Plano de Manejo da UC RESEX Maracanã (PA)

O Programa Áreas Protegidas da Amazônia (ARPA), maior iniciativa de proteção de florestas tropicais do mundo, tem como objetivo a expansão e fortalecimento do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC) na Amazônia, a partir da proteção de 60 milhões de hectares na Amazônia – 12% da região, assegurando recursos financeiros para a gestão destas áreas e contribuindo para o desenvolvimento sustentável regional.
Criado em 2002, é coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) e financiado com recursos do Global Environment Facility (GEF)/Banco Mundial, do governo da Alemanha/KfW, do Fundo Amazônia/ BNDES, WWF-Brasil e setor empresarial (Natura e O Boticário), além de contrapartida do Governo Federal e governos estaduais, que totalizarão 395 milhões de dólares.

O Fundo Brasileiro para a biodiversidade (FUNBIO) é a instituição responsável pelo gerenciamento dos recursos financeiros, pelas atividades de aquisições e contratações para as unidades de conservação (UCs) e pela gestão de ativos do Fundo de Áreas Protegidas (FAP), um fundo fiduciário que irá garantir a continuidade das ações em longo prazo.

Em função de algumas alterações no escopo do serviço e com o intuito de atrair um maior número de participantes para o processo de seleção, o Funbio solicita que empresas/instituições interessadas manifestem-se até o dia 06 de fevereiro de 2015, demonstrando que são qualificadas para desempenhar os serviços descritos no Termo de Referência (TdR), apresentando comprovação de capacidade técnica adquirida a partir da realização de trabalhos que se enquadrem no perfil descrito no TdR para a elaboração do Plano de Manejo da RESEX Maracanã/PA.

Os documentos deverão ser enviados por e-mail para jose.mauro@funbio.org.br, identificados como “Manifestação de interesse_Consultoria PJ_ Plano de Manejo RESEX Maracanã e indicando o NOME da sua Instituição”.

Somente serão selecionados para participação no processo, as empresas e instituições que cumprirem com os requisitos solicitados.
O processo será conduzido de acordo com o Manual para Contratações e Aquisições do Funbio disponível no site www.funbio.org.br.
Os recursos para pagamento dos serviços advêm do contrato assinado entre o KFW e o Funbio para a implementação do Programa Áreas Protegidas da Amazônia (ARPA) fase II.

A presente contratação deverá obedecer os procedimentos descritos nos arquivos abaixo:

O Funbio entrará em contato, solicitando as propostas, somente com as empresas cujas manifestações de interesse em realizar o serviço forem selecionadas.

* Publicado no site do Funbio em 23/01/2015

Notícias, Notícias dos Parceiros do Arpa, Notícias sobre o Arpa

Programa Arpa busca fornecedores de voadeiras, reboques de voadeira e motores

O Programa Áreas Protegidas da Amazônia (ARPA), maior iniciativa de proteção de florestas tropicais do mundo, tem como objetivo a expansão e fortalecimento do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC) na Amazônia, a partir da proteção de 60 milhões de hectares na Amazônia – 12% da região, assegurando recursos financeiros para a gestão destas áreas e contribuindo para o desenvolvimento sustentável regional.Criado em 2002, é coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) e financiado com recursos do Global Environment Facility (GEF)/Banco Mundial, do governo da Alemanha/KfW, do Fundo Amazônia/ BNDES, WWF-Brasil e setor empresarial (Natura e O Boticário), além de contrapartida do Governo Federal e governos estaduais, que totalizarão 395 milhões de dólares.

O Fundo Brasileiro para biodiversidade (FUNBIO) é a instituição responsável pelo gerenciamento dos recursos financeiros, pelas atividades de aquisições e contratações para as unidades de conservação (UCs) e pela gestão de ativos do Fundo de Áreas Protegidas (FAP), um fundo fiduciário que irá garantir a continuidade das ações em longo prazo.

As empresas interessadas deverão manifestar interesse disponibilizando as seguintes informações:

  • CNPJ da empresa;
  • Região geográfica de atuação;
  • Histórico dos maiores fornecimentos e entregas realizados pela empresa, contendo as referências dos respectivos clientes;
  • Capacidade máxima de fornecimento de motores, voadeiras e reboques para voadeiras no período de 01 (um) mês, fundamentando quais itens são produzidos pela própria empresa ou adquiridos através de outros fornecedores;
  • Atestados de capacidade técnica, caso disponíveis;
  • Outros documentos que julguem necessários.

Os documentos deverão ser enviados por e-mail para jose.mauro@funbio.org.br, identificados como “Manifestação de Interesse_Lote Barcos e Motores_2015” até o dia 20/02/2015.

Somente serão selecionados para participação no processo, as empresas que disponibilizarem todas as informações solicitadas acima.

O processo será conduzido de acordo ao Manual para Contratações e Aquisições do Funbio, que se encontra no site, na seção “compras e contratações”.

Os recursos para pagamento dos serviços advêm do contrato assinado entre os doadores e o Funbio para a implementação do Programa Áreas Protegidas da Amazônia (ARPA) fase II.

O Funbio entrará em contato, solicitando as propostas, somente com as empresas cujas manifestações de interesse em realizar o serviço forem selecionadas.

* Publicado no site do Funbio em 22/01/2015