Notícias, Notícias sobre o Arpa

Firmado acordo para captar US$ 250 milhões para o Arpa

MMA, WWF, Funbio e instituições internacionais firmam acordo, na Rio+20, para financiar o programa de áreas protegidas da região.

O Ministério do Meio Ambiente (MMA) e o WWF-Brasil reuniram, nesta segunda-feira (18/06), agências internacionais de financiamento na Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), para a assinatura de acordo multilateral para a captação de US$ 250 milhões, até 2019, e outros US$ 35 milhões nos anos seguintes. O acordo assinado funcionará como campanha global para a arrecadação de recursos, com o objetivo de expandir e consolidar o Programa Áreas Protegidas da Amazônia (Arpa), que apoia Unidades de Conservação (UCs) cuja área total equivale hoje a cerca de 12% do bioma Amazônia.

O Arpa é responsável pelo apoio a 95 UCs no bioma, que protegem hoje 52 milhões de hectares, além de 6 milhões de hectares que serão protegidos em 17 novas UCs, cujos processos de criação também são apoiados pelo programa. “São 22 milhões de pessoas que vivem na Amazônia e que esperam melhor padrão de vida, enfatizou o secretário de Biodiversidade e Florestas, Roberto Cavalcanti. “Não com prédios de ar condicionado, mas com saúde, educação e com preservação ambiental”. O secretário enfatizou a necessidade de o programa crescer, em um momento em que o país também cresce e precisa cada vez mais de obras de infraestrutura.

SUCESSO

O documento chegou já assinado pela ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, ausente por causa de outro compromisso ligado à Rio+20, e foi firmado pelo Banco Mundial, WWF-Brasil, governo alemão, Fundo para o Meio Ambiente Mundial(GEF), Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Fundação Gordon and Betty Moore e a organização Linden Trust for Conservation.

“O Arpa é um sucesso. Com ele, pudemos trazer criar mais Unidades de Conservação, aperfeiçoar a sua gestão, ter mais conhecimento sobre a diversidade, reduzir o desmatamento e reduzir também a emissão de gases de efeito estufa”, comemorou a secretária geral do WWF-Brasil, Maria Cecília Wey de Brito.