Notícias, Notícias das Unidades de Conservação

Jaú (AM) realiza capacitação de monitoramento

Atividades fazem parte do Programa de Monitoramento in situ da Biodiversidade

© Todos os direitos reservados. Foto: Marcio Uehara Prado e Rachel Acosta

Brasília (23/04/2015) – O Parque Nacional do Jaú, Unidade de Conservação administrada pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) localizada no Amazonas, realizou a primeira amostragem de fauna de 2015. Os monitores registraram um total de 26 avistamentos, de 14 espécies diferentes, incluindo uma onça vermelha (Puma concolor), e três espécies de primatas. Em maio, os trabalhos continuarão com a primeira campanha de amostragem do grupo borboletas frugívoras (que se alimentam de frutas) de 2015.

Promovida entre os dias 18 e 22 de março, a atividade visou pesquisar um grupo específico de mamíferos diurnos de médio e grande porte, como primatas, roedores e felinos, e aves cinegéticas, por meio da coleta de dados. Essa etapa do monitoramento foi direcionada a amostragem seguindo o método de transecção linear, que considera uma contagem por distância, baseada na visualização das espécies e na obtenção da distância entre o animal e a trilha.

A amostragem faz parte do monitoramento participativo realizado na UC, que vem sendo aprimorada após o curso Protocolos Mínimos para o Monitoramento in situ da Biodiversidade, realizado entre os dias 03 e 06 de fevereiro. Tal atividade fez parte das atividades do projeto Monitoramento Participativo da Biodiversidade em Unidades de Conservação da Amazônia, realizado pelo IPÊ em parceria com o ICMBio. O objetivo foi capacitar a comunidade local para ações de monitoramento.

Foram realizadas aulas teóricas e práticas em sala de aula, além de jogos e treinamentos em campo. As aulas do protocolo sobre Borboletas Frugívoras foram conduzidas pelo colaborador Marcio Uehara Prado e as do Protocolo de Mamíferos e Aves pelo analista ambiental do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Carnívoros (Cenap/ICMBio), Ricardo Sampaio. O protocolo de Plantas Lenhosas foi trabalhado em uma outra campanha, em 2014.

O monitoramento da biodiversidade é um conjunto de atividades de longo prazo que permite avaliar as respostas de populações ou ecossistemas às práticas de manejo e conservação e aos impactos de fatores externos como perda de habitat, alterações da paisagem, mudanças climáticas, entre outros.

Para a analista ambiental do Parque Nacional do Jaú, Rachel Klaczko Acosta, o curso foi uma oportunidade para despertar a importância da conservação, capacitar monitores para atuarem no Parque, além de formar agentes locais multiplicadores de conhecimento.

Desde 2014 a UC vem trabalhando na implementação do Programa de Monitoramento e possui três estações de amostragem implantadas para quatro grupos alvo, que considera também o grupo plantas lenhosas e borboletas frugívoras, além dos supracitados.

Comunicação ICMBio
(61) 2028-9280
* Matéria publicada no site do ICMBio em 23/04/2015