Notícias, Notícias das Unidades de Conservação

Base do CNPT no Acre fecha ano com balanço positivo

Nos dias 12 e 13 de novembro, no município de Jordão, a Base Avançada do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação da Sociobiodiversidade Associada a Povos e Comunidades Tradicionais (CNPT) em Rio Branco (Acre) participou da reunião do Conselho Deliberativo da Reserva Extrativista (Resex) do Alto Tarauacá. Na oportunidade, foram apresentados os resultados das pesquisas desenvolvidas na Unidade de Conservação (UC) ao longo dos últimos três anos.

A equipe do CNPT também participou de reunião do Conselho da Resex do Cazumbá-Iracema, com o mesmo objetivo. Com isso, a Base Avançada do Centro fecha o quarto ano de existência com balanço positivo de suas atividades e conquistas. Criado com o objetivo de realizar pesquisa científica em manejo e conservação de ambientes e territórios utilizados por povos e comunidades tradicionais em apoio às Unidades de Conservação federais, uma série de pesquisas vem sendo realizadas sobre as temáticas “Caça de Subsistência”; “Etnoconhecimento Zooterápico” e “Manejo Participativo de Tracajá”. O entorno da Resex Chico Mendes e as Florestas Nacionais do Macauã e do São Francisco também já foram objeto de estudo.

“Há muito que se comemorar, foram anos de muito trabalho, desafios e conquistas até conseguir estruturar esta Unidade descentralizada do Instituto Chico Mendes na capital do Acre. Temos um quadro reduzido de servidores, mas que sempre perseguiu a missão de produzir conhecimentos relacionados a sociobiodiversidade em apoio à gestão dessas Unidades”, afirmou a responsável pela base, Rosenil de Oliveira.

Foram sete projetos aprovados em editais de pesquisas, sendo seis executados na íntegra; participação em oito eventos científicos nacionais e cinco estaduais, com produção de sete resumos científicos; duas orientações de pós-graduação; três participações em banca de conclusão de curso; mais de 15 palestras proferidas; além de outras contribuições ao Instituto em diversas temáticas.

 

* Publicado no ICMBio em Foco 324
Notícias, Notícias dos Parceiros do Arpa, Notícias sobre o Arpa

Arpa contrata Consultoria para divulgar a Reserva Extrativista Chico Mendes (AC)

O Programa Áreas Protegidas da Amazônia (ARPA), maior iniciativa de proteção de florestas tropicais do mundo, tem como objetivo a expansão e fortalecimento do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC) na Amazônia, a partir da proteção de 60 milhões de hectares na Amazônia – 12% da região, assegurando recursos financeiros para a gestão destas áreas e contribuindo para o desenvolvimento sustentável regional.Criado em 2002, é coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) e financiado com recursos do Global Environment Facility (GEF)/Banco Mundial, do governo da Alemanha/KfW, do Fundo Amazônia/ BNDES, WWF-Brasil e setor empresarial (Natura e O Boticário), além de contrapartida do Governo Federal e governos estaduais, que totalizarão 395 milhões de dólares.

O Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (FUNBIO) é a instituição responsável pelo gerenciamento dos recursos financeiros, pelas atividades de aquisições e contratações para as unidades de conservação (UCs) e pela gestão de ativos do Fundo de Áreas Protegidas (FAP), um fundo fiduciário que irá garantir a continuidade das ações em longo prazo.

Para participar do processo de seleção, as empresas/instituições interessadas deverão manifestar-se até o dia 29 de abril de 2014, demonstrando que são qualificadas para desempenhar os serviços descritos no TdR , apresentando comprovação de capacidade técnica adquirida a partir da realização de trabalhos que se enquadrem no perfil para a elaboração do vídeo em questão.

Os documentos deverão ser enviados por e-mail para jose.mauro@funbio.org.br, identificados como “Manifestação de interesse Consultoria PJ_ Vídeo documentário _RESEX Chico Mendes e indicando o NOME da sua Instituição”.

Somente serão selecionados para participação no processo, as empresas e instituições que cumprirem com os requisitos solicitados.

O processo será conduzido em acordo ao Manual para Contratações e Aquisições do Funbio.

Os recursos para pagamento dos serviços advêm do contrato assinado entre o KFW e o Funbio para a implementação do Programa Áreas Protegidas da Amazônia (ARPA) fase II.

Para ter acesso ao TdR , clique aqui.

O Funbio entrará em contato, solicitando as propostas, somente com as empresas cujas manifestações de interesse em realizar o serviço forem selecionadas.

* Matéria publicada no site do Funbio em 16/04/2014

 

Entrevistas, Notícias, Notícias sobre o Arpa

Depoimento: Tiago Ranzi, da Reserva Extrativista Cazumbá-Iracema (AC)

Desafios do Programa ARPA
O Programa ARPA tem como objetivo proteger 50 milhões de hectares na Amazônia e para chegar a esse resultado são necessários recursos humanos e recursos financeiros significativos. Penso que o grande desafio no momento seja principalmente o de garantir recursos humanos para a gestão das UC, visto que recursos financeiros existem porém poucas são as Unidades integrantes do Programa que possuem equipe mínima suficiente para operacionalizar esse recurso e isso afeta diretamente a execução satisfatória das ações do mesmo.É necessário avançar urgentemente nesse sentido junto aos Órgãos Gestores para cobrar a contrapartida mínima de 5 servidores para cada UC do Programa, bem como, de uma equipe mínima suficiente de Pontos Focais e na UCP/MMA.

Conquistas
É notável e comprovado, mediante Auditoria do TCU publicada no final de 2013, que as UCs apoiadas pelo Programa ARPA possuem uma gestão mais avançada em razão dos benefícios trazidos pelo mesmo. Penso que a facilidade de operacionalização de recursos diretos é um dos grandes destaques do Programa visto que minimiza a burocracia e garante condições para que as atividades necessárias da gestão sejam desenvolvidas no tempo e da forma que foram planejadas.

Em termos de gestão do Programa, uma das principais conquistas foi a criação da Comissão de Gestores e sua representação dentro das instâncias de gestão como o Fórum Técnico e o Comitê do Programa. É fundamental que os gestores tenham cadeira nessas instâncias pois, como estão na ponta e são responsáveis pela execução direta do Programa podem contribuir de forma grandiosa com as discussões objetivando superar os desafios e garantir a melhoria do ARPA.

Perspectivas
Infelizmente, a depender do que vemos no cenário atual da Política Ambiental no Brasil, o Programa ARPA ainda será necessário por muitos anos e continuará a ser um grande diferencial diante das demais UCs. Os cortes nos orçamentos dos Órgãos Gestores têm atingido diretamente a gestão das UCs num âmbito mais amplo, e de forma mais pesada as que estão na Amazônia, onde os custos, as dificuldades e as distâncias são maiores do que no restante do Brasil. Grande parte dos custos de consolidação das UCs do Programa, que deveria ser assumido pelos Governos Federal e Estaduais, por enquanto dependerá de doadores (principalmente internacionais) para se manter. Por enquanto, é o que se vislumbra para o futuro dessas UCs.

Concedido em 19/03/2014

Notícias, Notícias das Unidades de Conservação

Equipe de TV visita a Reserva Extrativista do Cazumbá-Iracema (AC)

Nos dias 29 e 30 de janeiro, a Reserva Extrativista do Cazumbá-Iracema, em Sena Madureira no Acre (AC), recebeu a equipe da TV Acre, filiada da Rede Globo, e do Portal G1 Acre. A visita contou com a presença das repórteres Aline Vieira e Raíssa Fernandes e do cinegrafista Luiz Maciel.

Para gravar as matérias, a equipe precisou superar muita lama, chuva, calor, picadas de insetos, subidas e descidas de barrancos, viagens de canoa e longas caminhadas para captar um pouco da realidade local e das belezas naturais da reserva extrativista. Os jornalistas puderam conhecer mais de perto o trabalho dos seringueiros, castanheiros, rezadores e artesãos, além da premiada história de organização comunitária e luta dos seringueiros para criação da reserva extrativista, em 2002, protegendo assim mais de 750 mil hectares de Floresta Amazônica.

Conheceram, também, o 1º curso de Agricultor Familiar, oferecido em parceria com o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre (IFAC) por meio do Programa Nacional de Educação no Campo (PRONACAMPO), no qual entrevistaram professores e alunos sobre a chegada de cursos técnicos na unidade de conservação (UC) e nas comunidades locais. Na oportunidade foram convidados pelos jovens da reserva extrativista (que mantêm voluntariamente um viveiro de mudas) a plantarem duas mudas, como contribuição à conservação da floresta e em sinal de agradecimento pela visita. As árvores serão identificadas com o nome da equipe que esteve na comunidade do Núcleo do Cazumbá.

As matérias geradas durante os dois dias de imersão na floresta terão como resultado uma série de reportagens especiais, que serão veiculadas em rede nacional, durante a programação do Globo Rural e da Globo News. Durante todo o trabalho, a equipe contou com o apoio do líder comunitário Aldeci Maia (Nenzinho) e do analista ambiental e chefe da unidade de conservação, Tiago Juruá, que guiaram os visitantes pelos caminhos da floresta.
Comunicação ICMBio
(61) 3341-9280

* Matéria publicada no site do ICMBio em 21/02/2014

Notícias, Notícias das Unidades de Conservação

Cazumbá-Iracema (AC) abre trilhas para monitoramento da biodiversidade

De 13 a 18 de janeiro, a bióloga Elisa Herkenhoff coordenou a abertura do primeiro transecto de 5 quilômetros, na Reserva Extrativista do Cazumbá-Iracema, que será utilizado durante o Programa de Monitoramento da Biodiversidade na Amazônia, a ser implementado em ao longo de 2014.

A abertura desse transecto serviu principalmente para que mateiros da comunidade pudessem ser capacitados para a realização da abertura das outras duas trilhas, tendo em vista as necessidades e o protocolo de monitoramento da biodiversidade indicados pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, órgão gestor da reserva extrativista.

No total, serão três transectos de 5 quilômetros abertos em diferentes áreas da unidade de conservação (UC), para realização do monitoramento da biodiversidade com a participação das famílias extrativistas. Para auxiliar na implementação do monitoramento, o Instituto de Pesquisas Ecológicas (IPÊ) irá promover o projeto “Monitoramento participativo da biodiversidade”, buscando envolver a comunidade local nesse trabalho.

A Reserva Extrativista do Cazumbá-Iracema é uma das seis unidade de conservação da Amazônia participantes do projeto “Monitoramento da Biodiversidade com relevância para o clima em nível de UC, considerando medidas de adaptação e mitigação”, coordenado pelo ICMBio em parceria com o Ministério do Meio Ambiente (MMA) e GIZ, financiado com recursos do Programa Áreas Protegidas da Amazônia (ARPA).

O grupos definidos para esse primeiro momento do projeto foram: árvores lenhosas, borboletas frugívoras, aves cinegéticas e mamíferos de médio e grande porte. Na reserva extrativista, com apoio do Programa ARPA, a ideia é ampliar a abrangência do levantamento da biodiversidade com o uso de armadilhas fotográficas nas trilhas.
Comunicação ICMBio
(61) 3341-9280

* Matéria publicada no site do ICMBio em 24/01/2014