Notícias, Notícias das Unidades de Conservação

MMA apresenta balanço de gestão

Criação de unidades de conservação, implantação do cadastro ambiental e cooperação do Executivo estão entre os destaques

A criação de unidades de conservação está entre os principais resultados alcançados na agenda ambiental brasileira. Em balanço de gestão apresentado nesta quarta-feira (19/11), a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, informou que 1,066 milhão de hectares entraram em regime de proteção em território nacional nos últimos quatro anos.

Os dados foram apresentados, em Brasília, na abertura da 116ª Reunião Ordinária do Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama).

Com as novas unidades, o país chegou a 57 milhões de hectares em unidades de conservação somente na Floresta Amazônica. Segundo Izabella, o número contribui para o cumprimento da terceira fase do Programa Áreas Protegidas da Amazônia (Arpa), cuja meta é colocar 60 mil hectares do bioma em regime de proteção.

A ministra Izabella destacou que todas as áreas estabelecidas estão livres de conflitos socioambientais e fundiários. “O caminho é levar em conta a sensibilidade de cada região. Criar unidades sem conflitos facilita o custo de implantação e dá convergência para as políticas públicas”, afirmou. Além disso, unidades que já existiam foram ampliadas, somando um total de 139 mil hectares.

POSTURA

A política ambiental passou a ocupar um papel de destaque no cenário nacional e internacional, na avaliação de Izabella. De acordo com a ministra, ações como a redução nos níveis de desmatamento e a implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR) foram fundamentais. “O objetivo é influenciar cada vez mais a agenda de desenvolvimento e ter uma postura propositiva, e não meramente reativa”, declarou.

A cooperação com 26 pastas do Executivo no desenvolvimento de ações em diversas áreas também foi destacada pela ministra. “Todos eles têm demandas diretas com a questão ambiental que dão mais envergadura política para o MMA. Com isso, maior necessidade de encontrar respostas”, observou.

Assessoria de Comunicação Social (Ascom/MMA) – Telefone: 61.2028 1227

* Matéria de Lucas Tolentino publicada no site do MMA em 19/11/2014

 

Notícias, Notícias sobre o Arpa

Balanço: Participações do Arpa na Rio + 20

Diversos momentos foram importantes para a apresentação do Arpa ao público que esteve na Rio + 20. O programa foi prestigiado em exposições, seminários e eventos organizados pela ONU e pelo governo brasileiro.

O mais importante foi, em 18 de junho, a assinatura do acordo de captação de US$ 250 milhões para o financiamento de novas ações até 2019, no encontro promovido pela Secretaria de Biodiversidade e Florestas (SBF), do MMA, pelo WWW-Brasil e pelo Funbio.

Foto: WWF-Brasil/Marco Sarti

Houve ainda outros momentos relevantes para a apresentação das conquistas do Arpa. Inclusive de modo lúdico. O programa esteve em três exposições: uma no Pavilhão Brasil, outra na Arena Socioambiental e outra no forte de Copacabana.

No dia 15, o programa fez parte de dois encontros promovidos pelo governo federal. Um do próprio Ministério do Meio Ambiente, em que foram debatidos avanços e perspectivas do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (Snuc). E outro em evento promovido pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), em que foi debatido o Fundo Amazônia.

O coordenador do Arpa, Trajano Quinhões, expôs as conquistas do programa e os mecanismos financeiros que possibilitam que chegue a apoiar 95 UCs para a proteção de 52 milhões de hectares, além de 17 UCs em fase de criação e outras que vão se integrar à iniciativa nos próximos meses.

SNUC – Nos eventos com a participação do Arpa, na Rio + 20, uma das presenças marcantes foi a de Braulio Dias, ex-secretário de Biodiversidade e Florestas, do MMA, que desde fevereiro está a frente do Secretariado da Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB) em Montreal. Ele ressaltou a importância do Programa de Áreas Protegidas da Amazônia durante a exposição sobre as estratégias do Sistema Nacional de Unidades de Conservação.

“O Brasil conquistou três grandes projetos na área de meio ambiente: O Arpa, o GEF Marinho e o GEF Terrestre”, afirmou Bráulio Dias. Ele acentuou a necessidade de mecanismos financeiros e parcerias para que o Brasil cumpra seus compromissos internacionais relacionados ao meio ambiente.

Durante a reunião, Braulio Dias comentou sobre a estratégia LifeWeb, plataforma de captação internacional de recursos, iniciativa da CDB, para arrecadação de US$ 115 milhões a serem usados para a eficiência da gestão de UCs. Esse foi um dos temas tratados no encontro do dia 15, promovido pelo Departamento de Áreas Protegidas (DAP), da SBF/MMA.

“Temos metas bastante ambiciosas para serem atingidas até 2020. Uma delas é de expansão das áreas protegidas. Não só fisicamente, mas de modo qualitativo, para melhoria de gestão”. Braulio Dias disse que vai trabalhar para que os países que precisem de apoio encontrem países dispostos a contribuir financeiramente. E admitiu que, “como brasileiro”, torce para as conquistas brasileiras.

Exposições – O Arpa esteve entre as atrações do Pavilhão Humanidade 2012, montado no Forte de Copacabana, iniciativa de empresas privadas, instituições governamentais e não-governamentais. O evento paralelo à Rio + 20 recebeu 60 mil visitantes logo nos três primeiros dias da exposição que mostrou a necessidade de preservação ambiental e do desenvolvimento sustentável.

No evento, realizado pela Confederação Nacional de Indústria, o programa do MMA foi apresentado como uma das mais importantes iniciativas para a ampliação das unidades de conservação, sua consolidação e a implementação do SNUC.

No Parque dos Atletas, onde foram realizados debates oficiais da Rio + 20, a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) instalou o Pavilhão Brasil, com 4 mil m², onde também foram realizadas palestras, abrangendo temas como inovação, agricultura, energia, inclusão social, turismo e cultura. Tudo com viés do desenvolvimento sustentável.

Cúpula dos povos – No Parque do Flamengo, a Rio + 20 contagiou uma multidão de pessoas vindas de muitos países e de estados brasileiros. Nos jardins e embaixo dos pilotis do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, foi instalada a Arena Socioambiental, com mostras de 14 ministérios, como meio de diálogo entre governo e sociedade.

Uma moderna galeria de pinturas, com obras de arte projetadas nas paredes, se misturaram com informações sobre educação, saúde, conservação ambiental na exposição Portinari + Brasileiros. Um conjunto que expressa de modo variado a vida dos cidadãos no país.

Em sala contínua aos quadros de Portinari, telões multimídia divertiam as pessoas que podiam mudar de assunto com o toque dos dedos. Entre as opções, o Arpa se destacava, mostrando informaçõe e imagens de UCs, clicadas pelo analista ambiental Luciano Malanski.