Notícias, Notícias das Unidades de Conservação

Artesanato resgata identidade seringueira em Cazumbá-Iracema

Produção associada ao látex gera renda e promove autonomia financeira para as mulheres

© Todos os direitos reservados. Foto: Luciano Malanski

Esquecido por um longo período, o látex extraído da seringueira ganhou novamente ares de protagonista na Reserva Extrativista (Resex) Cazumbá-Iracema, Unidade de Conservação administrada pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), com sede no município de Sena Madureira, no Acre.

A retomada da utilização do látex como matéria-prima foi possível graças à iniciativa das mulheres da comunidade, que enxergaram nele uma alternativa sustentável de trabalho e passaram a produzir peças de artesanato feitas com borracha.

“Hoje, nós conseguimos tirar nosso sustento da Reserva, mas sempre cuidando e mantendo a floresta em pé. Não precisamos agredir nem derrubar nossas árvores nativas”, conta a artesã Leonora Maia, que coordena o Grupo de Mulheres da Resex Cazumbá-Iracema, responsável pela produção das peças.

Ainda segundo a coordenadora, a primeira experiência de comercialização dos produtos aconteceu em 2011 e, desde então, os moradores da Reserva vêm experimentando mudanças significativas na sua qualidade de vida, tanto pelo aumento na renda quanto pela preservação da identidade seringueira.

“Os homens também participam e auxiliam em alguns processos, a exemplo da coleta do látex, atividade que havia sido abandonada pela comunidade”, pontua Leonora.

© Todos os direitos reservados. Foto: Aurelice Vasconcelos

Cadeia produtiva

Utilizando a técnica conhecida como encauchados de vegetais, as participantes do Grupo de Mulheres misturam ao látex coletado um agente vulcanizante, substância que permite que a borracha seque sob o sol já na forma do produto final. “O agente vulcanizante é fornecido pelo Projeto Encauchados de Vegetais, que atua em diversas comunidades da Amazônia”, afirma Tiago Juruá, chefe da Reserva.

Réplicas de folhas da floresta, em geral usadas como objeto de decoração ou jogo americano, as peças são produzidas em larga escala durante a época do ano em que ocorre maior incidência da luz solar: entre abril e novembro. Ao longo desse período, o Grupo de Mulheres fabrica aproximadamente 4 mil itens por mês.

Para garantir a comercialização dos produtos, o ICMBio articula a participação das artesãs em feiras e exposições, sempre contando com dois importantes parceiros: o Governo do Estado do Acre e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), que oferece oficinas de empreendedorismo, design e análise de preços. “Nas feiras, elas recebem também diversas encomendas, inclusive de outros estados”, destaca Tiago.

Emancipação feminina

De acordo com Leonora Maia, antes dessa iniciativa as mulheres viviam entre a roça e os afazeres domésticos, numa rotina muito dura que as levava a pensar em ir embora para a cidade. “Elas dependiam dos maridos, não tinham autonomia financeira. Agora, com esse complemento na renda, as mulheres têm sua independência”, argumenta a coordenadora.

Para Tiago Juruá, a importância do projeto reside justamente na geração de renda fruto desse envolvimento feminino no processo produtivo, o que eleva a autoestima e garante autonomia em relação aos homens. “Além disso, outro aspecto relevante é o fato de que o trabalho com a borracha resgata e fortalece a identidade seringueira”, conclui o chefe da Resex.

* Matéria assinada por Nana Brasil e publicada no site do ICMBio em 10/08/2015

Notícias, Notícias das Unidades de Conservação

Artesanato com borracha resgata identidade seringueira na Resex Cazumbá-Iracema (AC)

Esquecido por um longo período, o látex extraído da seringueira ganhou novamente ares de protagonista na Reserva Extrativista (Resex) Cazumbá-Iracema, com sede  no município de Sena Madureira, no Acre.

A retomada da utilização do látex como matéria-prima  foi possível graças à iniciativa das mulheres da comunidade,  que  enxergaram  nele  uma  alternativa  sustentável  de trabalho e passaram a produzir peças de artesanato  feitas com borracha.

“Hoje, nós conseguimos tirar nosso sustento da Reserva, mas sempre cuidando e mantendo a floresta em pé.  Não precisamos agredir nem derrubar nossas árvores nativas”, conta a artesã Leonora Maia, que coordena o  Grupo  de  Mulheres  da  Resex  Cazumbá-Iracema,  responsável pela produção das peças.

Ainda  segundo  a  coordenadora,  a  primeira  experiência  de comercialização dos produtos aconteceu em 2011 e,  desde então, os moradores da Reserva vêm experimentando mudanças significativas na sua qualidade de vida,  tanto pelo aumento na renda quanto pela preservação da  identidade seringueira.

“Os  homens  também  participam  e  auxiliam  em  alguns  processos, a exemplo da coleta do látex, atividade que havia sido abandonada pela comunidade”, pontua Leonora.

CADEIA PRODUTIVA

Utilizando a técnica conhecida como encauchados de vegetais, as participantes do Grupo de Mulheres misturam  ao látex coletado um agente vulcanizante, substância  que permite que a borracha seque sob o sol já na forma  do produto final. “O agente vulcanizante é fornecido  pelo  Projeto  Encauchados  de  Vegetais,  que  atua  em  diversas comunidades da Amazônia”, afirma Tiago Juruá,  chefe da Reserva.

Réplicas de folhas da floresta, em geral usadas como objeto de decoração ou jogo americano, as peças são produzidas em larga escala durante a época do ano em que  ocorre maior incidência da luz solar: entre abril e novembro. Ao longo desse período, o Grupo de Mulheres fabrica aproximadamente 4 mil itens por mês.

Para garantir a comercialização dos produtos, o ICMBio  articula a participação das artesãs em feiras e exposições,  sempre contando com dois importantes parceiros: o Governo do Estado do Acre e o Serviço Brasileiro de Apoio  às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), que oferece oficinas de empreendedorismo, design e análise de preços.  “Nas feiras, elas recebem também diversas encomendas,  inclusive de outros estados”, destaca Tiago.
EMANCIPAÇÃO FEMININA

De acordo com Leonora Maia, antes dessa iniciativa as  mulheres viviam entre a roça e os afazeres domésticos,  numa  rotina  muito  dura  que  as  levava  a  pensar  em  ir  embora para a cidade. “Elas dependiam dos maridos, não  tinham autonomia financeira. Agora, com esse complemento  na  renda,  as  mulheres  têm  sua  independência”,  argumenta a coordenadora.

Para Tiago Juruá, a importância do projeto reside justamente na geração de renda fruto desse envolvimento  feminino no processo produtivo, o que eleva a autoestima e garante autonomia em relação aos homens. “Além  disso, outro aspecto relevante é o fato de que o trabalho  com a borracha resgata e fortalece a identidade seringueira”, conclui o chefe da Resex.

* Matéria publicada no informativo ICMBio em Foco 354

Notícias, Notícias das Unidades de Conservação, Notícias dos Parceiros do Arpa, Notícias sobre o Arpa

UC RESEX Cazumbá-Iracema (AC) recebe missão de avaliação do Arpa

Por Daline Pereira

Nos dias 28 e 29 de janeiro, aconteceu na Unidade de Conservação (UC) Reserva Extrativista Cazumbá- Iracema (AC) a primeira missão de avaliação do Arpa em campo de 2015. Durante a visita, os participantes conheceram os desafios e as conquistas da atual gestão da UC em relação às metas do Programa.

Representantes do Ministério do Meio Ambiente, do Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio), do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e do Banco Mundial, além do presidente do Comitê do Fundo de Transição do Arpa e do consultor de avaliação externa do Arpa, participaram da missão. Em diálogo com o grupo, Tiago Juruá, gestor da Reserva Extrativista, ressaltou que a Unidade é uma das 10 UCs consideradas altamente implementadas em recente relatório do TCU sobre UCs na Amazônia – dessas, cinco são apoiadas pelo Programa.

Participantes da missão de avaliação do Programa Arpa na RESEX Cazumbá-Iracema. Foto: Thiago Barros

Por outro lado, segundo Tiago Juruá o baixo número de gestores da UC dificulta a execução de determinadas ações. O grupo da missão conheceu de perto as dificuldades da comunidade para viver do extrativismo devido ao baixo valor da borracha no mercado. Não obstante, os moradores locais se mostraram altamente receptivos ao aprendizado de novas tecnologias que agreguem valor aos produtos.

Em diálogo com os moradores locais, os participantes da missão de avaliação do Programa Arpa tiveram a oportunidade conhecer seu alto grau de articulação e mobilização. A história de criação da Reserva Extrativista relacionada à luta dos moradores também foi tema do encontro.

Saiba mais
Missões de avaliação do Programa Arpa – Realizadas a partir de uma demanda dos doadores, as missões de avaliação do Arpa acontecem anualmente. Acesse aqui as atas das últimas missões e leia aqui a notícia sobre a missão de campo anterior.

Notícias, Notícias das Unidades de Conservação

Base do CNPT no Acre fecha ano com balanço positivo

Nos dias 12 e 13 de novembro, no município de Jordão, a Base Avançada do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação da Sociobiodiversidade Associada a Povos e Comunidades Tradicionais (CNPT) em Rio Branco (Acre) participou da reunião do Conselho Deliberativo da Reserva Extrativista (Resex) do Alto Tarauacá. Na oportunidade, foram apresentados os resultados das pesquisas desenvolvidas na Unidade de Conservação (UC) ao longo dos últimos três anos.

A equipe do CNPT também participou de reunião do Conselho da Resex do Cazumbá-Iracema, com o mesmo objetivo. Com isso, a Base Avançada do Centro fecha o quarto ano de existência com balanço positivo de suas atividades e conquistas. Criado com o objetivo de realizar pesquisa científica em manejo e conservação de ambientes e territórios utilizados por povos e comunidades tradicionais em apoio às Unidades de Conservação federais, uma série de pesquisas vem sendo realizadas sobre as temáticas “Caça de Subsistência”; “Etnoconhecimento Zooterápico” e “Manejo Participativo de Tracajá”. O entorno da Resex Chico Mendes e as Florestas Nacionais do Macauã e do São Francisco também já foram objeto de estudo.

“Há muito que se comemorar, foram anos de muito trabalho, desafios e conquistas até conseguir estruturar esta Unidade descentralizada do Instituto Chico Mendes na capital do Acre. Temos um quadro reduzido de servidores, mas que sempre perseguiu a missão de produzir conhecimentos relacionados a sociobiodiversidade em apoio à gestão dessas Unidades”, afirmou a responsável pela base, Rosenil de Oliveira.

Foram sete projetos aprovados em editais de pesquisas, sendo seis executados na íntegra; participação em oito eventos científicos nacionais e cinco estaduais, com produção de sete resumos científicos; duas orientações de pós-graduação; três participações em banca de conclusão de curso; mais de 15 palestras proferidas; além de outras contribuições ao Instituto em diversas temáticas.

 

* Publicado no ICMBio em Foco 324
Notícias, Notícias das Unidades de Conservação

Resex do Cazumbá-Iracema (AC) realiza Projeto Cidadão

O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) realizou, em parceria com o Ministério do Desenvolvimento Agrário, mais uma edição do Projeto Cidadão na Reserva Extrativista (Resex) do Cazumbá-Iracema. O evento ocorreu de 21 a 23 de novembro, em Sena Madureira (AC).

Durante o evento, moradores da Unidade de Conservação (UC) emitiram documentos como CPF e carteira de identidade e de trabalho. Eles também assistiram a palestras sobre programas do governo federal e direitos, como Bolsa Família, salário-maternidade, auxílio-doença e aposentadoria.

A ação foi coordenada por Aldeci Maia, o Nenzinho, liderança comunitária que trabalha na equipe gestora da Reserva. Segundo ele, “o desafi o é grandioso, mas esse trabalho é fundamental para garantir às famílias da UC o acesso à informação e à documentação básica necessária para exercer sua cidadania, seus direitos de cidadão”, destacou Maia.

Muitas famílias são de comunidades distantes e participaram do evento para garantir a obtenção ou renovação de documentos básicos como RG e CPF, principalmente de filhos que até então só possuíam a certidão de nascimento. Em três dias, foram emitidos mais de cem documentos.

* Publicado no Informativo ICMBio em Foco 323
Notícias, Notícias das Unidades de Conservação

Gestores do ICMBio participam de capacitação no Acre

Representantes da Base Avançada do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação da sociobiodiversidade Associada a Povos e Comunidades Tradicionais (CNPT) em Rio Branco (AC) e das Reservas Extrativistas Chico Mendes, do Alto Juruá, do Alto Tarauacá e do Cazumbá-Iracema participaram de 27 a 31 de outubro de um treinamento para aprimorar a gestão participativa nas Unidades de Conservação (UCs) localizadas no estado do Acre. Na oportunidade, foi apresentado aos participantes o sistema de Indicadores socioambientais para Unidades deConservação (sisuc).

A ferramenta avalia 27 indicadores e visa auxiliar a gestão de UCs com foco socioambiental voltado aos Conselhos Gestores em todo o Brasil. O sisuc é público e livre para utilização por organizações dos diferentes setores da sociedade, com os objetivos de apoiar o trabalho deconselhos gestores, fortalecer a gestão participativa e ampliar o controle social nas Unidades de Conservação da Amazônia brasileira. Os indicadores socioambientais nele estabelecidos remetem à coleta sistemática de dados, que têm como desdobramento um plano estratégico de ações que passam a ser monitoradas pelo próprio conselho gestor de cada UC.
Para Tiago Juruá, chefe da Reserva Extrativista (Resex) do Cazumbá-Iracema, a capacitação possibilitou aos gestores conhecer uma importante ferramenta de gestão e avaliação da UC. “O sisuc possibilita uma avaliação da UC baseada nas impressões de seus conselheiros. Com isso, busca envolvê-los também na gestão por meio do Plano de Ação que é construído em conjunto e avaliado a cada reunião do Conselho. Isso é importante pois aproxima o conselheiro da gestão e possibilita dividir melhoras responsabilidades de gestão entre a equipe gestora e oConselho Gestor”, concluiu.
Para Rosenil Dias, analista ambiental do CNPT, esse sistema de indicadores vai ajudar muito os gestores. “Vai ser possível melhorar a qualidade da gestão, visualizando de maneira mais eficiente como está o trabalho da Unidade, além da troca de experiências entre as instituições”, concluiu. Também participaram da capacitação Camilla Helena da silva, da Resex do Alto Tarauacá; José Figueiredo, da Resex do Alto Juruá e Melina de Andrade, da Resex Chico Mendes.
O evento foi ministrado por consultores do Grupo Natureza sociedade e Conservação e promovido pela secretaria de Meio Ambiente do Estado (sema), com apoio da Agência de Cooperação Alemã (GIZ). Informações sobre o sisuc em http://blogdosisuc.socioambiental.org/.
* Publicado no Informativo do ICMBio nº 319

 

Notícias, Notícias das Unidades de Conservação, Notícias dos Parceiros do Arpa

ICMBio participa do maior evento de ciência do Brasil

ntenção foi trocar experiências, valorizar o extrativismo e integrar os meios científico e governamental

ICMBio participa do maior evento de ciência do Brasil
O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) participou da 66ª Reunião da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SPBC), maior evento de ciência e tecnologia do País, com o tema “O Desafio da Economia Verde, Mercado Verde e Populações Tradicionais. O encontro aconteceu entre os os dias 23 e 26 de julho na Universidade Federal do Acre (Ufac). O objetivo foi trocar experiências, valorizar o extrativismo e integrar os meios científico e governamental.

O evento foi organizado em mesas-redondas, mini-cursos, exposição de fotos, vídeos e produtos da biodiversidade. O ICMBio participou do debate sobre a temática “Políticas públicas para a sociobiodiversidade”, apresentou produtos relacionados à extração de borracha e castanha, ao manejo madeireiro comunitário e de jacaré e às atividades de pesca e captura de caranguejo.

O coordenador de Produção e Uso Sustentável do ICMBio, Cecil Maya, esteve no local e comentou sobre a importância da reunião. “Muito já se avançou na garantia de políticas públicas que potencializam e qualificam o acesso dos extrativistas aos recursos naturais em bases sustentáveis, de forma a permitir uma maior e melhor inclusão socioprodutiva e níveis mais elevados de acesso à cidadania nas Unidades de Conservação (UCs). Porém, muito ainda precisa ser buscado, o que passa necessariamente pelo fortalecimento da capacidade de gestão das Unidades e pelo empoderamento e maior autonomia das organizações sociais dos extrativistas em busca de uma crescente corresponsabilidade na gestão destes territórios”, explicou Maya.

Segundo o gestor da Resex Cazumbá-Iracema (AC), Tiago Juruá, incluir a pauta extrativista na reunião da SBPC trará resultados importantes futuramente. “Com a participação de gestores e beneficiários das Unidades no evento, certamente colheremos frutos dessa participação nas nossas Ucs. Espera-se que a SBPC Nacional incorpore a SBPC Extrativista nas próximas edições”, explicou Juruá.

As instituições representativas dos extrativistas, também organizadoras do evento, elaboraram uma carta aberta chamada de “Manifesto da SBPC Extrativista – a Intenção entre o saber extrativista e a academia para o progresso da ciência”. No documento, eles destacaram o evento como uma oportunidade de envolvimento entre o conhecimento extrativista e o avanço científico.

Representaram o ICMBio o Centro Nacional de Pesquisa e Conservação da Sociobiodiversidade Associada a Povos e Comunidades Tradicionais (CNPT/Acre), os gestores e comunitários das Reservas Extrativistas (Resex) Chico Mendes, do Cazumbá-Iracema, Alto Tarauacá e Alto Juruá e da Floresta Nacional (Flona) Macauã. Os comunitários das Resex de São João da Ponta e da Flona do Tapajós, além da Diretoria de Ações Sociambientais e Consolidação Territorial em Unidades de Conservação (Disat/ICMBio), por meio da Coordenação de Produção e Uso Sustentável (Coprod), também representaram o Instituto.

* Matéria assinada por Lorene Lima e publicada no site do ICMBio em 19/09/2014

Notícias, Notícias das Unidades de Conservação

Comunidades do Cazumbá-Iracema recebem cursos técnicos

As comunidades do Núcleo do Cazumbá e do Cuidado, na Reserva Extrativista Cazumbá-Iracema, participaram da abertura da segunda etapa de cursos oferecidos na Unidade de Conservação (UC) entre os dias 30 e 31 de agosto. O evento conta com a parceria do Instituto Federal do Acre (Ifac), por meio do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec). O Programa já formou 37 alunos no curso de Agricultor Orgânico e agora oferece cursos de Açaicultor e Horticultor com a expectativa de capacitar 50 pessoas.

Além disso, 40 moradores da comunidade do Cuidado também serão capacitados com o curso de Agricultor Familiar. Todos os alunos foram selecionados pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), que também contribuiu com a logística para desenvolvimento das aulas. “A parceria com o Ifac, que agora está levando mais três cursos profissionalizantes para dentro da Reserva, é de fundamental importância, pois atende uma das principais demandas das comunidades, que é a capacitação voltada para a melhoria e diversificação na produção, assim como para garantir a segurança alimentar das famílias extrativistas. No futuro, a intenção é que possamos beneficiar todas as comunidades da UC com essas formações”, ressaltou Tiago Juruá, chefe da Resex.

Rosanio Pessoa, morador da comunidade do Cuidado, agradeceu pelo esforço de levar a capacitação até eles. “Estou muito feliz por estar participando desse curso. Acredito que vou ganhar muito conhecimento e vou aproveitar ao máximo. Agradeço ao Ifac e ao ICMBio pela iniciativa de trazer esse curso até nossa comunidade”, finalizou o extrativista.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

*Matéria publicada em 12/09/2014 no ICMBio em foco.

Entrevistas, Notícias, Notícias sobre o Arpa

Depoimento: Tiago Ranzi, da Reserva Extrativista Cazumbá-Iracema (AC)

Desafios do Programa ARPA
O Programa ARPA tem como objetivo proteger 50 milhões de hectares na Amazônia e para chegar a esse resultado são necessários recursos humanos e recursos financeiros significativos. Penso que o grande desafio no momento seja principalmente o de garantir recursos humanos para a gestão das UC, visto que recursos financeiros existem porém poucas são as Unidades integrantes do Programa que possuem equipe mínima suficiente para operacionalizar esse recurso e isso afeta diretamente a execução satisfatória das ações do mesmo.É necessário avançar urgentemente nesse sentido junto aos Órgãos Gestores para cobrar a contrapartida mínima de 5 servidores para cada UC do Programa, bem como, de uma equipe mínima suficiente de Pontos Focais e na UCP/MMA.

Conquistas
É notável e comprovado, mediante Auditoria do TCU publicada no final de 2013, que as UCs apoiadas pelo Programa ARPA possuem uma gestão mais avançada em razão dos benefícios trazidos pelo mesmo. Penso que a facilidade de operacionalização de recursos diretos é um dos grandes destaques do Programa visto que minimiza a burocracia e garante condições para que as atividades necessárias da gestão sejam desenvolvidas no tempo e da forma que foram planejadas.

Em termos de gestão do Programa, uma das principais conquistas foi a criação da Comissão de Gestores e sua representação dentro das instâncias de gestão como o Fórum Técnico e o Comitê do Programa. É fundamental que os gestores tenham cadeira nessas instâncias pois, como estão na ponta e são responsáveis pela execução direta do Programa podem contribuir de forma grandiosa com as discussões objetivando superar os desafios e garantir a melhoria do ARPA.

Perspectivas
Infelizmente, a depender do que vemos no cenário atual da Política Ambiental no Brasil, o Programa ARPA ainda será necessário por muitos anos e continuará a ser um grande diferencial diante das demais UCs. Os cortes nos orçamentos dos Órgãos Gestores têm atingido diretamente a gestão das UCs num âmbito mais amplo, e de forma mais pesada as que estão na Amazônia, onde os custos, as dificuldades e as distâncias são maiores do que no restante do Brasil. Grande parte dos custos de consolidação das UCs do Programa, que deveria ser assumido pelos Governos Federal e Estaduais, por enquanto dependerá de doadores (principalmente internacionais) para se manter. Por enquanto, é o que se vislumbra para o futuro dessas UCs.

Concedido em 19/03/2014

Notícias, Notícias das Unidades de Conservação

Equipe de TV visita a Reserva Extrativista do Cazumbá-Iracema (AC)

Nos dias 29 e 30 de janeiro, a Reserva Extrativista do Cazumbá-Iracema, em Sena Madureira no Acre (AC), recebeu a equipe da TV Acre, filiada da Rede Globo, e do Portal G1 Acre. A visita contou com a presença das repórteres Aline Vieira e Raíssa Fernandes e do cinegrafista Luiz Maciel.

Para gravar as matérias, a equipe precisou superar muita lama, chuva, calor, picadas de insetos, subidas e descidas de barrancos, viagens de canoa e longas caminhadas para captar um pouco da realidade local e das belezas naturais da reserva extrativista. Os jornalistas puderam conhecer mais de perto o trabalho dos seringueiros, castanheiros, rezadores e artesãos, além da premiada história de organização comunitária e luta dos seringueiros para criação da reserva extrativista, em 2002, protegendo assim mais de 750 mil hectares de Floresta Amazônica.

Conheceram, também, o 1º curso de Agricultor Familiar, oferecido em parceria com o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre (IFAC) por meio do Programa Nacional de Educação no Campo (PRONACAMPO), no qual entrevistaram professores e alunos sobre a chegada de cursos técnicos na unidade de conservação (UC) e nas comunidades locais. Na oportunidade foram convidados pelos jovens da reserva extrativista (que mantêm voluntariamente um viveiro de mudas) a plantarem duas mudas, como contribuição à conservação da floresta e em sinal de agradecimento pela visita. As árvores serão identificadas com o nome da equipe que esteve na comunidade do Núcleo do Cazumbá.

As matérias geradas durante os dois dias de imersão na floresta terão como resultado uma série de reportagens especiais, que serão veiculadas em rede nacional, durante a programação do Globo Rural e da Globo News. Durante todo o trabalho, a equipe contou com o apoio do líder comunitário Aldeci Maia (Nenzinho) e do analista ambiental e chefe da unidade de conservação, Tiago Juruá, que guiaram os visitantes pelos caminhos da floresta.
Comunicação ICMBio
(61) 3341-9280

* Matéria publicada no site do ICMBio em 21/02/2014