Notícias, Notícias das Unidades de Conservação

ICMBio se reúne com moradores da RESEX Chico Mendes (AC)

Entre os temas tratados estava a criação de gado dentro da UC

 © Todos os direitos reservados. Fotos: Acervo ICMBio

Gestores da Reserva Extrativista (Resex) Chico Mendes, unidade de conservação administrada pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) localizada no Acre, promoveram uma série de reuniões com os moradores da reserva para tratar da criação de gado no interior da unidade.

A discussão trouxe como ponto de partida as regras estabelecidas pelo Plano de Utilização da unidade que autoriza a criação destes animais como atividade complementar, estabelecendo inclusive o tamanho das áreas que devem ser destinadas à atividade.

A chefe da Resex Silvana Lessa afirma que a meta será promover mais reuniões e garantir a maior participação possível dos moradores da Reserva Extrativista Chico Mendes. “Queremos um debate transparente e com maior envolvimento possível das comunidades, com objetivo de garantir a participação efetiva dos moradores na construção e implementação das ações que diminuam os impactos das atividades na floresta”, destaca Lessa.

Segundo o analista ambiental Fluvio Mascarenhas, o principal objetivo da reunião foi estabelecer um dialogo e ouvir dos moradores propostas para que possam ser estabelecidas estratégias que visem diminuir o crescimento da pecuária no interior da unidade.

A pecuária se contrapõe aos objetivos da unidade que tem como princípio a manutenção da floresta e das atividades extrativistas. No entanto, nos últimos anos a atividade tem se intensificado promovendo o aumento do desmatamento. “Durante as reuniões os moradores tem justificado o aumento da atividade bovina, em detrimento da ausência de políticas públicas para os produtos extrativistas”, frisou Mascarenhas.

Segundo o morador do Seringal Santa Ana, o Sr. Raimundinho Lima, não há preço justo para borracha. “Levo dois dias de viagem de barco pelo rio Laco para transportar o nosso produto até o município de Sena Madureira, e quando chegamos na cidade, o preço ofertado pelos nossos produtos não pagam nem as despesas do transporte”,

Segundo ele, se os extrativistas plantam feijão ou arroz, quando vamos vender não se pagam o preço justo. “Já o gado, no caso, o comprador vai na porta de casa buscar”, frisa Sr. Raimundo Lima. Mesmo em meio aos desabafos ocorridos na reunião, a grande maioria se propôs a buscar soluções visando diminuir o aumento da criação bovina.

O vice presidente da Associação de Moradores de Brasiléia e Epitaciolândia e morador do Seringal Amapá, no município de Brasiléia, Sr. Anacleto, declara o reconhecimento dos grandes avanços obtidos ao longo dos anos na unidade, tais como melhorias na educação, saúde, infra-estrutura e preço justo para alguns produtos florestais, a exemplo da castanha.

As reuniões seguem ate o mês de junho, e devem finalizar no final com uma grande assembleia geral, para pactuar acordos estabelecidos a partir de uma discussão participativa. Outros temas, como venda de terras e caça com cachorro no interior da unidade, são pautas de discussão pelas comunidades.

Saiba mais sobre o uso sustentável na Reserva Extrativista Chico Mendes.

Comunicação ICMBio
(61) 2028-9280
* Matéria publicada em 05/06/2015 pelo ICMBio

 

Notícias, Notícias das Unidades de Conservação, Notícias dos Parceiros do Arpa, Notícias sobre o Arpa

Arpa contrata consultoria para Avaliação Ecológica Rápida da Resex Chico Mendes (AC)

O Programa Áreas Protegidas da Amazônia (ARPA), maior iniciativa de proteção de florestas tropicais do mundo, tem como objetivo a expansão e fortalecimento do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC) na Amazônia, a partir da proteção de 60 milhões de hectares na Amazônia – 12% da região, assegurando recursos financeiros para a gestão destas áreas e contribuindo para o desenvolvimento sustentável regional.Criado em 2002, é coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) e financiado com recursos do Global Environment Facility (GEF)/Banco Mundial, do governo da Alemanha/KfW, do Fundo Amazônia/ BNDES, WWF-Brasil e setor empresarial (Natura e O Boticário), além de contrapartida do Governo Federal e governos estaduais, que totalizarão 395 milhões de dólares.

O Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (FUNBIO) é a instituição responsável pelo gerenciamento dos recursos financeiros, pelas atividades de aquisições e contratações para as unidades de conservação (UCs) e pela gestão de ativos do Fundo de Áreas Protegidas (FAP), um fundo fiduciário que irá garantir a continuidade das ações em longo prazo.

As empresas/instituições interessadas deverão manifestar-se até o dia 02 de abril de 2015, demonstrando que são qualificadas para desempenhar os serviços descritos no Termo de Referência (TdR), apresentando comprovação de capacidade técnica adquirida a partir da realização de trabalhos que se enquadrem no perfil descrito para a realização da avaliação em questão.

Os documentos deverão ser enviados por e-mail para jose.mauro@funbio.org.br, identificados como “Manifestação de interesse Consultoria PJ_ RESEX Chico Mendes_ AER_e indicando o NOME da sua Instituição”.

Somente serão selecionados para participação no processo, as empresas e instituições que cumprirem com os requisitos solicitados.

O processo será conduzido em acordo ao Manual para Contratações e Aquisições do Funbio, disponível no site do Funbio. Os recursos para pagamento dos serviços advêm do contrato assinado entre o KFW e o Funbio para a implementação do Programa Áreas Protegidas da Amazônia (ARPA) fase II.

Para ter acesso ao Termo de Referência (TdR), clique aqui.

O Funbio entrará em contato, solicitando as propostas, somente com as empresas cujas manifestações de interesse em realizar o serviço forem selecionadas.

Notícias, Notícias das Unidades de Conservação

Tecnologias sociais garantem água potável na Amazônia

Parceria com Memorial Chico Mendes vai beneficiar 2,8 mil famílias de baixa renda de reservas extrativistas de 14 municípios dos estados do Acre, Amapá, Amazônia e Pará

Parceria entre o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) e o Instituto Memorial Chico Mendes vai garantir água potável a 2,8 mil famílias de baixa renda de oito reservas extrativistas em 14 municípios dos estados do Acre, Amapá, Amazônia e Pará. Ao todo, o governo federal está investindo R$ 3 milhões na ação.

O secretário nacional de Segurança Alimentar e Nutricional do MDS, Arnoldo de Campos, apresentou nesta segunda-feira (9) o projeto, durante Encontro Extrativista Sobre Políticas Públicas, em Belém (PA). “Apesar da abundância de água na região Amazônica, a população de baixa renda não tem acesso à água própria para consumo. Como a regularidade da chuva na região é maior, os sistemas permitirão melhor aproveitamento da água pluvial, que reservada e tratada de forma adequada é própria para o consumo e outros usos domésticos”, explica.

Serão implantadas duas tecnologias: sistemas pluviais de Multiuso Autônomo e Multiuso Comunitário. No sistema Multiuso Autônomo, cada família poderá captar, armazenar e filtrar até seis mil litros de água da chuva. Já no Multiuso Comunitário, além das unidades domiciliares, também será instalado um módulo complementar de abastecimento com uma rede de distribuição, sendo acionado somente quando esgotar as reservas domiciliares.

Acesse aqui:
Infográfico explica os sistemas

As entidades que irão executar o projeto serão selecionadas pelo Memorial Chico Mendes. Elas vão mobilizar, selecionar e cadastrar as famílias em situação de extrema pobreza que não têm acesso adequado à fonte de água potável e que estejam inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal. Após a seleção, as famílias recebem capacitação sobre o uso adequado das tecnologias e sobre a gestão da água armazenada. E algumas pessoas terão treinamento para a construção dos sistemas.

“Já entregamos mais de 1 milhão de cisternas para consumo humano no Semiárido”, lembrou o secretário. “Com essas novas tecnologias, passaremos a atender mais adequadamente também às demandas por acesso à água da região Norte”.

Mais parcerias – Para garantir água de qualidade no Pará, o MDS também firmou convênio com o governo do estado. Ao todo, serão aplicados R$ 4,2 milhões para beneficiar 800 famílias em nove municípios.

Já a parceria com Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam) vai ter investimento de R$ 2,9 milhões. Serão atendidas 590 famílias em três municípios.

Informações sobre os programas do MDS:

0800-707-2003
mdspravoce.mds.gov.br

Informações para a imprensa:
Ascom/MDS
(61) 2030-1021
www.mds.gov.br/saladeimprensa

* Matéria publicada no portal do MDS em 09/03/2015

Notícias, Notícias das Unidades de Conservação

Gestores do ICMBio participam de capacitação no Acre

Representantes da Base Avançada do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação da sociobiodiversidade Associada a Povos e Comunidades Tradicionais (CNPT) em Rio Branco (AC) e das Reservas Extrativistas Chico Mendes, do Alto Juruá, do Alto Tarauacá e do Cazumbá-Iracema participaram de 27 a 31 de outubro de um treinamento para aprimorar a gestão participativa nas Unidades de Conservação (UCs) localizadas no estado do Acre. Na oportunidade, foi apresentado aos participantes o sistema de Indicadores socioambientais para Unidades deConservação (sisuc).

A ferramenta avalia 27 indicadores e visa auxiliar a gestão de UCs com foco socioambiental voltado aos Conselhos Gestores em todo o Brasil. O sisuc é público e livre para utilização por organizações dos diferentes setores da sociedade, com os objetivos de apoiar o trabalho deconselhos gestores, fortalecer a gestão participativa e ampliar o controle social nas Unidades de Conservação da Amazônia brasileira. Os indicadores socioambientais nele estabelecidos remetem à coleta sistemática de dados, que têm como desdobramento um plano estratégico de ações que passam a ser monitoradas pelo próprio conselho gestor de cada UC.
Para Tiago Juruá, chefe da Reserva Extrativista (Resex) do Cazumbá-Iracema, a capacitação possibilitou aos gestores conhecer uma importante ferramenta de gestão e avaliação da UC. “O sisuc possibilita uma avaliação da UC baseada nas impressões de seus conselheiros. Com isso, busca envolvê-los também na gestão por meio do Plano de Ação que é construído em conjunto e avaliado a cada reunião do Conselho. Isso é importante pois aproxima o conselheiro da gestão e possibilita dividir melhoras responsabilidades de gestão entre a equipe gestora e oConselho Gestor”, concluiu.
Para Rosenil Dias, analista ambiental do CNPT, esse sistema de indicadores vai ajudar muito os gestores. “Vai ser possível melhorar a qualidade da gestão, visualizando de maneira mais eficiente como está o trabalho da Unidade, além da troca de experiências entre as instituições”, concluiu. Também participaram da capacitação Camilla Helena da silva, da Resex do Alto Tarauacá; José Figueiredo, da Resex do Alto Juruá e Melina de Andrade, da Resex Chico Mendes.
O evento foi ministrado por consultores do Grupo Natureza sociedade e Conservação e promovido pela secretaria de Meio Ambiente do Estado (sema), com apoio da Agência de Cooperação Alemã (GIZ). Informações sobre o sisuc em http://blogdosisuc.socioambiental.org/.
* Publicado no Informativo do ICMBio nº 319

 

Notícias, Notícias das Unidades de Conservação

ICMBio constrói modelo de sustentabilidade

Reserva Extrativista Chico Mendes (AC) torna possível o desenvolvimento sustentável

ICMBio constrói modelo de sustentabilidade

Em 1988, aos 44 anos, Chico Mendes, seringueiro e sindicalista, foi assassinado no Acre a mando do fazendeiro Darly Alves. O motivo do crime foi a atuação de Mendes na defesa do Seringal Cachoeira que Alves desejava destruir. Chico Mendes não foi o único a ser morto porque defendia a Amazônia, mas se tornou um símbolo da luta social e da defesa ecológica.

Dois anos depois do crime, o sindicalista foi homenageado com a criação da Reserva Extrativista Chico Mendes, com mais de 930 mil hectares abrangendo os municípios de Rio Branco, Capixaba, Assis Brasil, Brasiléia, Epitaciolândia, Xapuri e Sena Madureira, todos no Acre. Destinada à exploração autossustentável e conservação dos recursos naturais renováveis, por populações tradicionais, a Reserva Extrativista torna possível o desenvolvimento sustentável.

A Reserva Chico Mendes é administrada pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) que decide as ações a serem desenvolvidas em conjunto com os extrativistas. Nos 46 seringais da reserva, atuam três associações que têm concessões para exploração de recursos naturais e as famílias moradoras se comprometem a não realizar atividades predatórias que descaracterizem os recursos naturais disponíveis.

“A criação da reserva fez com quem politicas públicas específicas para o extrativismo fossem criadas. É necessário desmistificar a figura do seringueiro com uma roupa rasgada, poronga na cabeça a coletar o látex. Hoje, muitos andam de moto e suas casas possuem o mesmo conforto de uma casa urbana, geladeira, fogão a gás, televisão”, explica a chefe da Reserva Extrativista Chico Mendes, Silvana Lessa. “Este é o legado de Chico Mendes. Segundo seus companheiros, Chico Mendes alertava que a criação da reserva não era o fim da história. A luta continuava para manter a floresta conservada”, conclui Lessa.

Vivem lá cerca de 10 mil pessoas que tiram seu sustento da coleta de produtos florestais, da pequena agricultura de subsistência e da pecuária em pequena escala. Vida digna para o homem que vive na floresta amazônica aliada à conservação dos recursos naturais.

Desde 2012, a gestão compartilhada da Reserva reúne as ações de diversas instituições, governamentais e não-governamentais, responsáveis pelas políticas públicas socioambientais, reunidas em uma central de gerenciamento. As ações propostas são validadas e monitoradas pelo Conselho Deliberativo da Reserva. Foi o primeiro plano brasileiro de gestão compartilhada envolvendo um governo de Estado e o ICMBio, uma autarquia vinculada ao Ministério do Meio Ambiente, responsável pela administração das UCs federais em todo território nacional.

Visando o desenvolvimento socioeconômico, dentro de critérios sustentáveis, várias ações foram implementadas na Reserva através de parcerias, entre elas, a fábrica de camisinhas Natex, a indústria de beneficiamento de castanha, o manejo madeireiro comunitário e a construção de açudes na reserva. Além de complementar a renda, a produção de peixes garante a segurança alimentar, reintroduzindo o peixe no cardápio de muitas famílias.

Para fortalecer as atividades extrativistas na Reserva Extrativista Chico Mendes, o ICMBio, em parceria com o INCRA e o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome – MDS, iniciou a implementação da primeira experiência de oferta do serviço de Assistência Técnica voltada para o Extrativismo – ATER-Extrativista.

O objetivo é qualificar as atividades de manejo, beneficiamento e comercialização de produtos extrativistas através da organização social, da capacitação e assessoria técnica e da estruturação e ampliação das cadeias produtivas dos produtos da floresta. Os serviços oferecidos pelo primeiro contrato de ATER-Extrativista tiveram início no final de 2013 e terão duração mínima de 30 meses.

Serão investidos mais de R$ 17 milhões do Programa Brasil Sem Miséria, possibilitando o atendimento de 2.100 famílias extrativistas, que contarão com a prestação de serviços de empresas de assessoria técnica, através da atuação de mais de 45 técnicos em campo.

A viabilidade deste modelo pode ser verificada pelo fato de que as atividades produtivas não colocam em risco a natureza, tão prezada pelas comunidades da região. A reserva se mantêm firme aos objetivos propostos: o desmatamento acumulado não ultrapassa 7%, índice baixo em comparação com os demais dados de desmatamento na Amazônia. Porém, é indispensável que se garanta a implementação dos instrumentos de gestão e o apoio às atividades extrativistas, através da promoção do manejo sustentável dos recursos naturais e valorização dos produtos do extrativismo.

* Matéria assinada por João Freire e publicada no site do ICMBio 

Notícias, Notícias das Unidades de Conservação, Notícias dos Parceiros do Arpa

ICMBio participa do maior evento de ciência do Brasil

ntenção foi trocar experiências, valorizar o extrativismo e integrar os meios científico e governamental

ICMBio participa do maior evento de ciência do Brasil
O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) participou da 66ª Reunião da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SPBC), maior evento de ciência e tecnologia do País, com o tema “O Desafio da Economia Verde, Mercado Verde e Populações Tradicionais. O encontro aconteceu entre os os dias 23 e 26 de julho na Universidade Federal do Acre (Ufac). O objetivo foi trocar experiências, valorizar o extrativismo e integrar os meios científico e governamental.

O evento foi organizado em mesas-redondas, mini-cursos, exposição de fotos, vídeos e produtos da biodiversidade. O ICMBio participou do debate sobre a temática “Políticas públicas para a sociobiodiversidade”, apresentou produtos relacionados à extração de borracha e castanha, ao manejo madeireiro comunitário e de jacaré e às atividades de pesca e captura de caranguejo.

O coordenador de Produção e Uso Sustentável do ICMBio, Cecil Maya, esteve no local e comentou sobre a importância da reunião. “Muito já se avançou na garantia de políticas públicas que potencializam e qualificam o acesso dos extrativistas aos recursos naturais em bases sustentáveis, de forma a permitir uma maior e melhor inclusão socioprodutiva e níveis mais elevados de acesso à cidadania nas Unidades de Conservação (UCs). Porém, muito ainda precisa ser buscado, o que passa necessariamente pelo fortalecimento da capacidade de gestão das Unidades e pelo empoderamento e maior autonomia das organizações sociais dos extrativistas em busca de uma crescente corresponsabilidade na gestão destes territórios”, explicou Maya.

Segundo o gestor da Resex Cazumbá-Iracema (AC), Tiago Juruá, incluir a pauta extrativista na reunião da SBPC trará resultados importantes futuramente. “Com a participação de gestores e beneficiários das Unidades no evento, certamente colheremos frutos dessa participação nas nossas Ucs. Espera-se que a SBPC Nacional incorpore a SBPC Extrativista nas próximas edições”, explicou Juruá.

As instituições representativas dos extrativistas, também organizadoras do evento, elaboraram uma carta aberta chamada de “Manifesto da SBPC Extrativista – a Intenção entre o saber extrativista e a academia para o progresso da ciência”. No documento, eles destacaram o evento como uma oportunidade de envolvimento entre o conhecimento extrativista e o avanço científico.

Representaram o ICMBio o Centro Nacional de Pesquisa e Conservação da Sociobiodiversidade Associada a Povos e Comunidades Tradicionais (CNPT/Acre), os gestores e comunitários das Reservas Extrativistas (Resex) Chico Mendes, do Cazumbá-Iracema, Alto Tarauacá e Alto Juruá e da Floresta Nacional (Flona) Macauã. Os comunitários das Resex de São João da Ponta e da Flona do Tapajós, além da Diretoria de Ações Sociambientais e Consolidação Territorial em Unidades de Conservação (Disat/ICMBio), por meio da Coordenação de Produção e Uso Sustentável (Coprod), também representaram o Instituto.

* Matéria assinada por Lorene Lima e publicada no site do ICMBio em 19/09/2014

Notícias, Notícias sobre o Arpa

Arpa contrata consultoria para a elaboração de material de divulgação da RESEX Chico Mendes (AC)

O Programa Áreas Protegidas da Amazônia (ARPA), maior iniciativa de proteção de florestas tropicais do mundo, tem como objetivo a expansão e fortalecimento do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC) na Amazônia, a partir da proteção de 60 milhões de hectares na Amazônia – 12% da região, assegurando recursos financeiros para a gestão destas áreas e contribuindo para o desenvolvimento sustentável regional.Criado em 2002, é coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) e financiado com recursos do Global Environment Facility (GEF)/Banco Mundial, do governo da Alemanha/KfW, do Fundo Amazônia/ BNDES e WWF-Brasil, além de contrapartida do Governo Federal e governos estaduais, que totalizarão 395 milhões de dólares.

O Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (FUNBIO) é a instituição responsável pelo gerenciamento dos recursos financeiros, pelas atividades de aquisições e contratações para as unidades de conservação (UCs) e pela gestão de ativos do Fundo de Áreas Protegidas (FAP), um fundo fiduciário que irá garantir a continuidade das ações em longo prazo.

Visando obter mais interessados para o processo de seleção, as empresas/instituições interessadas deverão manifestar-se até o dia 04 de julho de 2014, demonstrando que são qualificadas para desempenhar os serviços descritos no TdR (Termo de Referência), apresentando comprovação de capacidade técnica adquirida a partir da realização de trabalhos que se enquadrem no perfil elaboração do material em questão.

Os documentos deverão ser enviados por e-mail para jose.mauro@funbio.org.br, identificados como “Manifestação de interesse Consultoria PJ_ Vídeo documentário _RESEX Chico Mendes e indicando o NOME da sua Instituição”.

Somente serão selecionados para participação no processo, as empresas e instituições que cumprirem com os requisitos solicitados.

O processo será conduzido em acordo ao Manual para Contratações e Aquisições do Funbio.

Os recursos para pagamento dos serviços advêm do contrato assinado entre o KFW e o Funbio para a implementação do Programa Áreas Protegidas da Amazônia (ARPA) fase II.

Clique aqui para acessar o TdR (Termo de Referência).

O Funbio entrará em contato, solicitando as propostas, somente com as empresas cujas manifestações de interesse em realizar o serviço forem selecionadas.

* Matéria publicada no site do Funbio em 24/06/2014

 

Notícias, Notícias das Unidades de Conservação, Notícias dos Parceiros do Arpa

Arpa contrata serviços topográficos de georreferenciamento e sinalização para a RESEX Chico Mendes (AC)

O Programa Áreas Protegidas da Amazônia (ARPA) é o maior Programa de conservação e uso sustentável de florestas tropicais do mundo, com o desafio de conservar uma amostra representativa da biodiversidade no bioma Amazônia. Tem por objetivo apoiar a proteção de 60 milhões de hectares de florestas na Amazônia – 12% da região amazônica – até 2018, por meio da criação e consolidação de UCs, em um custo total estimado de US$ 395 milhões em investimentos.

Coordenado pelo Governo Federal, é implementado através de uma parceria entre os órgãos gestores de UCs, o Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio), doadores, e com a Agência Alemã para a Cooperação Internacional – GIZ.

O Funbio atua desde 1995 em todo o território nacional, sendo a Instituição responsável pela gestão dos recursos financeiros do programa ARPA, entre outras coisas, adquirindo bens e contratando serviços para as Unidades de Conservação. Desta forma, convidamos às empresas/instituições interessadas em participar no processo de seleção supracitado, a encaminhar por e-mail até o dia 28 de Abril de 2014, manifestação de interesse demonstrando que são qualificadas para desempenhar os serviços, apresentando comprovação de capacidade técnica adquirida a partir da realização de trabalhos que se enquadrem no objeto descrito no Termo de Referência (TdR)  e os demais documentos que  o complementam abaixo:

Os e-mails deverão ser encaminhados devidamente identificados como “Manifestação de Interesse para realização dos serviços topográficos de georreferenciamento e sinalização na Reserva Extrativista Chico Mendes/AC – Nome de sua empresa”, aos cuidados de Fernanda Jacintho para fernanda.jacintho@funbio.org.br com cópia para propostas@funbio.org.br

Somente serão contatadas para participar do processo as empresas/instituições que se enquadrarem no perfil estabelecido no TdR.

Os recursos para pagamento dos serviços advém do contrato assinado entre o KfW e Funbio para a implementação do Programa Áreas Protegidas da Amazônia (ARPA) fase II.

* Matéria publicada no site do Funbio em 24/04/2014

Notícias, Notícias dos Parceiros do Arpa, Notícias sobre o Arpa

Arpa contrata Consultoria para divulgar a Reserva Extrativista Chico Mendes (AC)

O Programa Áreas Protegidas da Amazônia (ARPA), maior iniciativa de proteção de florestas tropicais do mundo, tem como objetivo a expansão e fortalecimento do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC) na Amazônia, a partir da proteção de 60 milhões de hectares na Amazônia – 12% da região, assegurando recursos financeiros para a gestão destas áreas e contribuindo para o desenvolvimento sustentável regional.Criado em 2002, é coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) e financiado com recursos do Global Environment Facility (GEF)/Banco Mundial, do governo da Alemanha/KfW, do Fundo Amazônia/ BNDES, WWF-Brasil e setor empresarial (Natura e O Boticário), além de contrapartida do Governo Federal e governos estaduais, que totalizarão 395 milhões de dólares.

O Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (FUNBIO) é a instituição responsável pelo gerenciamento dos recursos financeiros, pelas atividades de aquisições e contratações para as unidades de conservação (UCs) e pela gestão de ativos do Fundo de Áreas Protegidas (FAP), um fundo fiduciário que irá garantir a continuidade das ações em longo prazo.

Para participar do processo de seleção, as empresas/instituições interessadas deverão manifestar-se até o dia 29 de abril de 2014, demonstrando que são qualificadas para desempenhar os serviços descritos no TdR , apresentando comprovação de capacidade técnica adquirida a partir da realização de trabalhos que se enquadrem no perfil para a elaboração do vídeo em questão.

Os documentos deverão ser enviados por e-mail para jose.mauro@funbio.org.br, identificados como “Manifestação de interesse Consultoria PJ_ Vídeo documentário _RESEX Chico Mendes e indicando o NOME da sua Instituição”.

Somente serão selecionados para participação no processo, as empresas e instituições que cumprirem com os requisitos solicitados.

O processo será conduzido em acordo ao Manual para Contratações e Aquisições do Funbio.

Os recursos para pagamento dos serviços advêm do contrato assinado entre o KFW e o Funbio para a implementação do Programa Áreas Protegidas da Amazônia (ARPA) fase II.

Para ter acesso ao TdR , clique aqui.

O Funbio entrará em contato, solicitando as propostas, somente com as empresas cujas manifestações de interesse em realizar o serviço forem selecionadas.

* Matéria publicada no site do Funbio em 16/04/2014

 

Entrevistas, Notícias, Notícias sobre o Arpa

Depoimento: Silvana Souza, da Reserva Extrativista Chico Mendes (AC)

Sobre a exposição comemorativa dos 24 anos da RESEX
A exposição fotográfica assume um importante papel narrativo de mostrar para sociedade a importância da floresta, os hábitos, o modo de vida, a relação do homem com a floresta e a identidade sócio-cultural. São informações a partir de imagens fotográficas de um contexto atualizado, sem fugir da essência, considerando os avanços sociais, preservando a diversidade e as especificidades. A Reserva Extrativista Chico Mendes representa um legado histórico de lutas do movimento social, a exposição oportuniza no seu lançamento no mês de maio homenagear os trabalhadores da floresta homens e mulheres. A exposição  acontecerá em diferentes espaços, haverá uma exposição permanente na Biblioteca da Floresta, e uma itinerante que  se apresentará nas escolas dos 7 (sete) municípios de abrangência da unidade e seu entorno,  acompanhada de palestras.

 

As conquistas que a UC teve com o apoio do Arpa
Hoje para que possamos atingir os objetivos de conservação consistentes na realidade amazônica, são necessários injeção de recursos financeiros e humanos, para estabelecermos uma gestão eficiente. A disponibilidade de recursos humanos existente hoje em muitas unidades é insuficiente para atender as atividades de campo, com dedicação e compromisso, ou seja, as fragilidades da gestão das unidades de conservação não se resumem apenas aos aspectos de natureza científica, mais sim a necessidade de disponibilizar os instrumentos adequados para conduzir as atividades de manejo e proteção da unidade. A Reserva Extrativista Chico Mendes não é uma exceção neste contexto, sua inserção no Programa ARPA possibilitou maior autonomia de desenvolver e conduzir estes instrumentos, considerando que a unidade esta finalizando o seu primeiro POA. A autonomia adquirida possibilita maior efetividade no fortalecimento dos instrumentos de gestão, consideramos a inserção da reserva no programa  uma grande conquista, o apoio tem promovido mudanças significativas na gestão da unidade, motivando e restabelecendo as relações e processos fragilizadas pela deficiência de recursos.

Concedido em 26/03/2014