Notícias, Notícias das Unidades de Conservação

Reserva Extrativista Chico Mendes (AC) promove expedição para planejar o monitoramento e registrar sua biodiversidade

camisaDe 17 a 22 de agosto, gestores da Reserva Extrativista (Resex) Chico Mendes (AC), lideranças comunitárias da região, representantes do comando Florestal e do Exército Brasileiro participaram de uma expedição no interior da Unidade de Conservação (UC).  A viagem, que aconteceu pelo ramal do Icuriã e seguiu até a margem do Rio Iaco,  teve como objetivo identificar a área para instalação de parcelas permanentes, ferramentas que possibilitarão o monitoramento da biodiversidade na área protegida.

rioDurante a expedição, também foi gravado um documentário sobre a vida amazônica, que retratou as principais cadeias produtivas da região e questões relativas à saúde e educação das populações locais. A produção audiovisual teve a participação de seringueiros, pescadores, ribeirinhos e outros moradores da região. Para o cineasta Guillermo Planel,  as gravações evidenciaram o trabalho de preservação da mata e das comunidades que residem nela. “O trabalho desenvolvido na Resex Chico Mendes é de uma importância vital não apenas para o Acre e para o Brasil, mas principalmente para o mundo”, declarou o diretor.

exércitoOs especialistas que participaram da viagem identificaram florestas de terra firme e de várzea. Essas áreas estão totalmente preservadas e abrigam várias espécies de mamíferos, a exemplo da Anta (Tapirus terrestris). Já o Exército Brasileiro realizou um trabalho de monitoramento na área visitada. E um sobrevoo de 7 horas pelas zonas primitivas revelou grande extensão de floresta preservada da UC, além de viabilizar o registro de imagens atualizadas da região.

Texto: Silvana Souza

Fotos: Fernando França

Notícias, Notícias das Unidades de Conservação, Notícias dos Parceiros do Arpa

Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque – Tão Diverso Quanto Grande

Nas notícias de campo dessa semana, vamos falar de um gigante: o Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque, o maior parque do Brasil e o maior do mundo em florestas tropicais, com uma área de quase quatro milhões de hectares.

Criado em 2002, no estado do Amapá, na divisa com a Guiana Francesa e o Suriname, essa unidade de conservação é fundamental para conservação de toda biodiversidade amazônica, e, em especial, para a vida dos muitos animais e plantas que ela abriga.

E dentre tantas notícias dessa importante UC, hoje vamos falar do papel dela para as espécies que vivem ali – e que não são poucas: mais de 2.300 plantas e animais vertebrados, como aponta a lista do Observatório de UCs, a qual lidera de longe.

Nas pesquisas realizadas em cinco expedições ao parque nacional entre 2004 e 2006 para elaboração do Plano de Manejo (link para o documento do e), foram registradas incríveis 1.578 espécies de plantas.

Entre os animais vertebrados, registrou-se 366 espécies de aves; 70 de anfíbios, sendo algumas novas descobertas – ou seja, nunca vistas ou estudadas antes; 86 répteis, incluindo três espécies de jacarés, três tartarugas e dois jabutis, além das serpentes e lagartos com pelo menos três espécies desconhecidas. Dentre as mais ameaçadas, às quais a UC oferece abrigo garantindo a sobrevivência e reprodução, estão o tatu-canastra, o cachorro-vinagre, a ariranha e a anta.

Espécie de sapo encontrada o Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque (Crédito: Claudio Maretti).

Esses números e dados ficam ainda mais impressionantes se considerarmos que eles foram colhidos em apenas uma pequena amostra do parque, e que, levando em conta a extensão, a diversidade de ecossistemas e o grau de conservação da sua área, ainda há muito mais a ser encontrado e que está sendo protegido.

E é pensando nisso, que o Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque é uma das UCs escolhidas pelo WWF-Brasil para o apoio a projetos de conservação socioambiental.  Entre as iniciativas apoiadas e desenvolvidas em parceria com a organização na UC está o projeto Biodiversidade nas Costas, que reúne professores da UNIFAP e educadores dos municípios do entorno do Parque.

* Publicado no Observatório de UCs da WWF Brasil em 25 de março de 2014