Notícias, Notícias das Unidades de Conservação

Centro avalia população de onças-pintadas em Gurupi (MA)

Os animais serão fotografados durante quatro meses

© Todos os direitos reservados. Foto: Adriano Gambarini

O Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Carnívoros (Cenap/ICMBio) e a Reserva Biológica (Rebio) do Gurupi (MA) iniciaram um projeto para avaliar a população de onças-pintadas na Unidade de Conservação (UC). As primeiras atividades de campo foram realizadas entre 15 e 29 de junho, quando a equipe instalou 21 pares de câmeras trap – máquinas fotográficas sensíveis ao movimento – em diferentes locais da Reserva, administrada pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

Durante os próximos quatro meses, as armadilhas irão registrar onças-pintadas, mas também poderão fazer registros de outras espécies da fauna local. As onças-pintadas serão identificadas a partir da fotointerpretação, pois cada animal apresenta um padrão de manchas único. Segundo a equipe da Reserva, esta atividade vai permitir fazer uma estimativa do tamanho e a densidade populacional desta espécie na UC e no mosaico que engloba as Terras Indígenas Awá, Carú, Alto-Turiaçu e Alto-Guamá.

A pesquisa também avaliará a dieta da onça-pintada na região e variações genéticas populacionais, por meio da análise de amostras de fezes coletadas na área e levadas ao Laboratório de Ecologia Trófica do Cenap.

Parceria Cenap e Rebio

A parceria entre o Cenap e a Rebio surgiu em 2012 quando teve início o projeto “Inventário de mamíferos terrestres de médio e grande porte como subsídios ao manejo de Unidades de Conservação Federais pouco conhecidas”. Segundo Elildo Carvalho Junior, analista ambiental do Cenap, “os resultados obtidos na ocasião indicaram que a Unidade abriga uma rica biodiversidade de mamíferos de médio e grande porte, indicando densidades populacionais relativamente altas”.

A Reserva Biológica está localizada em uma das áreas prioritárias para conservação da onça-pintada, como consta no Plano de Ação Nacional (PAN) da espécie. O projeto em andamento atende demandas previstas naquele PAN, além de ser um estudo inédito na região.

“A onça-pintada é uma espécie carismática, com forte apelo junto à sociedade, por isso consideramos que a pesquisa ajudará a divulgar e difundir a importância da Reserva para a conservação da biodiversidade, principalmente na região, visto que a UC sofre grandes ameaças, como extração ilegal de madeira, invasão e desmatamentos. Esta pesquisa ajuda a chamar a atenção da opinião pública local para a grande importância que o mosaico de áreas protegidas tem como único refúgio da biodiversidade da Amazônia oriental”, declarou a equipe de gestores da Rebio.

Os gestores também destacam a importância do desenvolvimento de trabalhos conjuntos entre as Unidades de Conservação e os Centros de Pesquisa do Instituto Chico Mendes, pois geram dados e informações consistentes que subsidiam a tomada de decisão para o manejo da UC. O Programa Áreas Protegidas da Amazônia (Arpa) apoia as pesquisas com onças-pintadas na Reserva Biológica do Gurupi desde 2012.

* Matéria publicada em 30/07/2015 no site do ICMBio

Notícias, Notícias das Unidades de Conservação, Notícias dos Parceiros do Arpa

Arpa contrata aluguel de veículos para Rebio do Gurupi (MA)

O Programa Áreas Protegidas da Amazônia (ARPA), maior iniciativa de proteção de florestas tropicais do mundo, tem como objetivo a expansão e fortalecimento do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC) na Amazônia, a partir da proteção de 60 milhões de hectares na Amazônia – 12% da região, assegurando recursos financeiros para a gestão destas áreas e contribuindo para o desenvolvimento sustentável regional.Criado em 2002, é coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) e financiado com recursos do Global Environment Facility (GEF)/Banco Mundial, do governo da Alemanha/KfW, do Fundo Amazônia/ BNDES, WWF-Brasil e setor empresarial (Natura e O Boticário), além de contrapartida do Governo Federal e governos estaduais, que totalizarão 395 milhões de dólares.

O Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (FUNBIO) é a instituição responsável pelo gerenciamento dos recursos financeiros, pelas atividades de aquisições e contratações para as unidades de conservação (UCs) e pela gestão de ativos do Fundo de Áreas Protegidas (FAP), um fundo fiduciário que irá garantir a continuidade das ações em longo prazo.

Para participar do processo de seleção para prestação de serviço de locação diária de veículos 4×4, cabine dupla, quilometragem livre, as empresas interessadas deverão manifestar interesse até o dia 22/05/2015, demonstrando que estão qualificadas para executar o serviço em questão, com todos os equipamentos de segurança e documentação exigidos por lei.

As manifestações deverão ser enviados para o e-mail para jose.mauro@funbio.org.br, identificadas como “Aluguel de Veículo 4×4 – REBIO de Gurupi” e identificando o nome da locadora”.

No corpo do e-mail deve ser informado o CNPJ da empresa, pessoa, telefone e e-mail de contato.

Somente serão selecionadas e contatadas as empresas que cumprirem com todos os requisitos solicitados.

* Publicado no site do Funbio em 12/05/2015

 

Notícias, Notícias das Unidades de Conservação

Reserva Biológica do Gurupi capacita conselheiros

A reserva Biológica (rebio) do Gurupi realizou em Imperatriz (MA), no mês de fevereiro, o primeiro Curso de Capacitação para os membros de seu Conselho Consultivo. Titulares e suplentes, além de gestores da rebio, participaram do evento, que teve a moderação das pesquisadoras Regina Oliveira e Benedita Barros, do Museu Emílio Goeldi.

Durante os dois dias de formação, foram abordados temas que envolvem a gestão da Unidade de Conservação (UC) e o perfil dos conselheiros, além de realizados exercícios que permitissem o debate sobre a função e o papel do Conselho e de seus membros. Na oportunidade, também foram planejadas as ações do conselho gestor para este ano nas áreas de proteção, educação ambiental, políticas públicas e pesquisa.

Para os participantes, o encontro foi inovador ao reuni-los fora do Conselho e para o planejamento de ações relativas à implementação e gestão da rebio do Gurupi. “Acreditamos que os objetivos do encontro foram alcançados, pois foi uma oportunidade para incentivar o comprometimento dos conselheiros com a missão do Conselho Consultivo na proteção e conservação da Rebio do Gurupi”, afirmou Evane Alves Lisboa, chefe da UC.

Criada em 1988, a reserva Biológica do Gurupi tem uma área de 271.197 hectares, abrangendo três municípios: Bom Jardim, São João do Carú e Centro Novo do Maranhão. Seu Conselho Consultivo foi criado em maio de 2013 e desde então contribui com diversas ações realizadas pela unidade de Conservação.

O curso foi realizado com recursos do Programa Áreas Protegidas da Amazônia (Arpa).
* Publicado no ICMBio em Foco 334
Notícias, Notícias das Unidades de Conservação

Iniciada a reforma do escritório da Rebio do Gurupi (MA)

Por Luciana Freitas

O Escritório da Rebio do Gurupi, construído em 1989 e localizado em Açailândia (MA), entrou em reforma no dia 14 de janeiro de 2015. Na reforma, serão realizadas melhorias no prédio, como: novo piso nas áreas internas e externas, pintura, troca de telhas e reforma de instalações elétricas e hidráulicas, do alojamento e banheiro.

Com previsão para término até o mês de abril, a reforma está sendo realizada com recursos do ARPA – Programa Áreas Protegidas da Amazônia e trará melhorias na infra-estrutura física e na logística dos trabalhos realizados na Unidade do ICMBio em Açailândia (MA).

A Rebio do Gurupi está sob a chefia de Evane Lisboa e conta com uma analista ambiental, e duas técnicas ambientais recém-empossadas, o que trará melhoria na eficiência dos trabalhos relacionados à fiscalização e proteção de umas das unidades mais importantes do Brasil para a preservação da Amazônia maranhense. A reforma da infraestrutura física contribuirá para que os trabalhos realizados em prol do meio ambiente na região sejam mais eficazes.

* Fotos: Acervo da Rebio Gurupi

Notícias, Notícias das Unidades de Conservação, Notícias dos Parceiros do Arpa

ICMBio participa da operação de desintrusão da Terra Indígena Awá

Objetivo do Instituto é evitar invasões na UC Rebio do Gurupi (MA)

Está sendo realizada desde o dia 15 de janeiro a desintrusão da Terra Indígena Awá, no noroeste do Maranhão, que garante a retirada de eventuais ocupantes da área demarcada após a etapa final do processo de demarcação. Como parte da ação, estão sendo entregues notificações judiciais na fronteira da terra indígena (TI) com a Reserva Biológica (Rebio) do Gurupi. A operação “Desintrusão da TI Awá” tem duração prevista inicialmente de 90 dias.

Até esta quinta-feira foram entregues cerca de 380 notificações. Só nos dois primeiros dias foram 148 notificações, o que representa cerca de 40% do total da TI, que tem área de 116 mil hectares. Os trabalhos estão sendo realizados por quatro oficiais de justiça divididos em equipes que percorrem por via terrestre e aérea a localização das edificações.

Nas moradias em que não são encontrados habitantes, as notificações são afixadas em locais visíveis. O documento é necessário para o cadastramento junto ao Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), o que poderá garantir o assentamento das famílias e acesso às políticas públicas. Após a notificação, o notificado tem um prazo de 40 dias para se retirar da área espontaneamente. A equipe de governo, instalada na base avançada na entrada da terra indígena, recebeu o reforço dos funcionários da Prefeitura de São João do Caru. Eles serão responsáveis pela inscrição das famílias no CadÚnico.

A equipe do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), com apoio do Batalhão de Policiamento Ambiental do Maranhão (BPA /MA), participa da operação “Desintrusão da TI Awá” para evitar invasões na Reserva Biológica do Gurupi durante o período da desintrusão e, ao mesmo tempo, acompanhar as notificações na terra indígena, principalmente nas áreas limítrofes a unidade de conservação (UC) federal. “Nossa participação na desintrusão é proteger a Rebio do Gurupi contra possíveis invasões de pessoas retiradas da TI Awá e resguardar o patrimônio natural da UC, como também apoiar as ações de desintrusão, para obtermos sucesso na ação”, afirma Saulo Gouveia, coordenador da ação do ICMBio na desintrusão da TI Awá.

O coordenador de Fiscalização do Instituto Chico Mendes, Guilherme Betiollo, avalia que esta operação é fundamental para consolidar a imagem do ICMBio nas ações de proteção frente a outras instituições atuantes no tema. “Além disso, como a TI e a Rebio são limítrofes, os ilícitos relacionados principalmente à exploração ilegal de madeira e desmatamento/ocupação irregular do solo também ocorrem nas duas áreas e são feitos pelas mesmas pessoas, portanto o combate aos infratores da terra indígena acaba por beneficiar solidariamente a UC”, destaca.

A equipe interministerial da operação “Desintrusão da TI Awá” é formada pela Fundação Nacional do Índio (Funai), Secretaria-Geral da Presidência da República, Ministério da Defesa – Exército e Força Aérea Brasileira –, polícias Federal e Rodoviária Federal, Força Nacional, ICMBio, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Centro Gestor do Sistema de Proteção da Amazônia (Censipam), Ministério do Desenvolvimento Agrário, Incra e Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).
Comunicação ICMBio
(61) 3341-9280

* Matéria publicada no site do ICMBio em 23/01/2014