Notícias, Notícias das Unidades de Conservação

ICMBio se reúne com moradores da RESEX Chico Mendes (AC)

Entre os temas tratados estava a criação de gado dentro da UC

 © Todos os direitos reservados. Fotos: Acervo ICMBio

Gestores da Reserva Extrativista (Resex) Chico Mendes, unidade de conservação administrada pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) localizada no Acre, promoveram uma série de reuniões com os moradores da reserva para tratar da criação de gado no interior da unidade.

A discussão trouxe como ponto de partida as regras estabelecidas pelo Plano de Utilização da unidade que autoriza a criação destes animais como atividade complementar, estabelecendo inclusive o tamanho das áreas que devem ser destinadas à atividade.

A chefe da Resex Silvana Lessa afirma que a meta será promover mais reuniões e garantir a maior participação possível dos moradores da Reserva Extrativista Chico Mendes. “Queremos um debate transparente e com maior envolvimento possível das comunidades, com objetivo de garantir a participação efetiva dos moradores na construção e implementação das ações que diminuam os impactos das atividades na floresta”, destaca Lessa.

Segundo o analista ambiental Fluvio Mascarenhas, o principal objetivo da reunião foi estabelecer um dialogo e ouvir dos moradores propostas para que possam ser estabelecidas estratégias que visem diminuir o crescimento da pecuária no interior da unidade.

A pecuária se contrapõe aos objetivos da unidade que tem como princípio a manutenção da floresta e das atividades extrativistas. No entanto, nos últimos anos a atividade tem se intensificado promovendo o aumento do desmatamento. “Durante as reuniões os moradores tem justificado o aumento da atividade bovina, em detrimento da ausência de políticas públicas para os produtos extrativistas”, frisou Mascarenhas.

Segundo o morador do Seringal Santa Ana, o Sr. Raimundinho Lima, não há preço justo para borracha. “Levo dois dias de viagem de barco pelo rio Laco para transportar o nosso produto até o município de Sena Madureira, e quando chegamos na cidade, o preço ofertado pelos nossos produtos não pagam nem as despesas do transporte”,

Segundo ele, se os extrativistas plantam feijão ou arroz, quando vamos vender não se pagam o preço justo. “Já o gado, no caso, o comprador vai na porta de casa buscar”, frisa Sr. Raimundo Lima. Mesmo em meio aos desabafos ocorridos na reunião, a grande maioria se propôs a buscar soluções visando diminuir o aumento da criação bovina.

O vice presidente da Associação de Moradores de Brasiléia e Epitaciolândia e morador do Seringal Amapá, no município de Brasiléia, Sr. Anacleto, declara o reconhecimento dos grandes avanços obtidos ao longo dos anos na unidade, tais como melhorias na educação, saúde, infra-estrutura e preço justo para alguns produtos florestais, a exemplo da castanha.

As reuniões seguem ate o mês de junho, e devem finalizar no final com uma grande assembleia geral, para pactuar acordos estabelecidos a partir de uma discussão participativa. Outros temas, como venda de terras e caça com cachorro no interior da unidade, são pautas de discussão pelas comunidades.

Saiba mais sobre o uso sustentável na Reserva Extrativista Chico Mendes.

Comunicação ICMBio
(61) 2028-9280
* Matéria publicada em 05/06/2015 pelo ICMBio

 

Notícias, Notícias das Unidades de Conservação

Reserva Extrativista Cururupu (MA) reúne conselho deliberativo

Reunião recebeu 12 entidades representativas do conselho

O conselho deliberativo da Reserva Extrativista (Resex) Marinha Cururupu (MA) realizou sua nona reunião, entre os dias 24 e 26 de abril. O evento, realizado na ilha de Valha-me-Deus, uma das treze comunidades que fazem parte da UC, contou com presença de 12 entidades representativas do conselho e abordou assuntos sobre a Unidade de Conservação e seus beneficiários.

Saiba mais sobre os Conselhos Deliberativos.

Na ocasião, o gerente do Projeto Pesca para Sempre, Enrico Marone, apresentou a metodologia proposta pela Organização Não-Governamental (RARE), que já se difundiu em outras partes do mundo e que na UC terá como foco a Pescada-Amarela.

O objetivo é propor medidas de conservação e de engajamento social a partir de levantamentos in loco e da realização de campanhas para diminuir as capturas da espécie Pescada-Amarela (Cynoscion acoupa).

Segundo Josenilde Ferreira, beneficiária da UC e coordenadora de campo do projeto, a produção dos pescadores que utilizam a rede malhão e têm a pescada-amarela como alvo está diminuindo gradativamente.

Os conselheiros apontaram que a captura desta espécie está associada a seus hábitos de permanecer no fundo do mar para alimentação e reprodução, formando cardumes nos poços e em regiões profundas.

Outro assunto debatido tratou da Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER), serviço executado pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) e o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), que consiste em visitas técnicas para identificar as necessidades e potencialidades de cada família extrativista.

Também esteve em pauta o Acordo de Gestão (Portaria n. 122 de 06 de novembro de 2014), que diminui o recrutamento do camarão marinho do período de três para dois meses e a inserção da modalidade de pesca conhecida como fuzarca dentre as artes de pesca proibidas nas áreas conhecidas como Cabeceiras na Unidade de Conservação.

Houve ainda uma apresentação do Projeto Restinga da Ilha de Guajerutiua como forma de conter/mitigar a erosão de praias, além de ser debatidos a elaboração do plano de manejo, os futuros encaminhamentos para o Programa Bolsa Verde e a homologação das famílias beneficiárias da Reserva Extrativista. Todas estas pautas foram conduzidas pela gestão da UC.

Além dos servidores do Instituto Chico mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), participaram da reunião os conselheiros da Prefeitura Municipal de Cururupu, da Universidade Federal do Maranhão, do Instituto Gestão e Desenvolvimento Ambiental (GEDA), da Associação dos Moradores da Resex Marinha de Cururupu (AMREMC), e das comunidades de Bate-Vento, Caçacueira, Lençóis, Peru, Porto Alegre, São Lucas e Valha-me-Deus. Outras duas entidades, além das que integram o conselho estiveram presentes, a RARE do Brasil (sede no Rio de Janeiro) e a Cooperativa de Trabalho, Pesquisa e Assessoria Técnica (COOSPAT), com sede em São Luís (MA).

Comunicação ICMBio
(61) 2028-9280
* Matéria publicada no site do ICMBio em 27/05/2015

 

Notícias, Notícias das Unidades de Conservação

Maracá (RR) reúne conselheiros

Quarenta conselheiros da Estação Ecológicade Maracá, unidade de conservação administrada pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) localizada no município de Amajari (RR), reuniram-se no início do mês de maio.

A reunião foi possível graças ao custeio integral promovido pelo Programa Áreas Protegidas da Amazônia (Arpa), reunindo conselheiros titulares, suplentes e convidados, alcançando um patamar de 84% de presença.

O destaque da reunião ficou por conta da revisão do regimento interno do conselho, instituído em 2007 quando da origem do próprio conselho, tornando-o mais focado na realidade atual. A reunião também foi uma oportunidade para aproximar diferentes entidades e população, possibilitando direcionamentos em relação a futuras capacitações.

Na ocasião pesquisadora da Embrapa/RR, Hyanameyka Evangelista de Lima promoveu curso sobre produção de mudas e enxertia de cupuaçu, que auxiliará as comunidades rurais do entorno.

O Plano de Ação do conselho se encontra em andamento, o que possibilitou mais um ciclo de avaliação para possível encaminhamento de outras demandas.

Comunicação ICMBio
(61) 2028-9280
* Matéria publicada no site do ICMBio em 28/05/2015

 

Notícias, Notícias das Unidades de Conservação

RESEX do Baixo Juruá (AM) reúne conselho e instala placas de sinalização

Placa BotafogoEntre os dias 23 de março a 01 de abril, foi realizada a mobilização para XI Reunião do Conselho Deliberativo da Reserva Extrativista do Baixo Juruá, que acontecerá nos dias 25 e 26 de Abril no município de Juruá no estado do Amazonas. Atualmente, o conselho deliberativo é formado por dezessete cadeiras, sendo oito delas de representação direta dos comunitários, entre os seis conselheiros das comunidades, o representante da associação dos produtores da RESEX e o representante do grupo de jovens protagonistas da unidade. A mobilização é a oportunidade de esclarecer os assuntos da pauta da reunião do conselho, para que a comunidade apresente seu posicionamento ao seu representante, que será seu porta voz na reunião do conselho, no entanto, todos os comunitários são convidados e incentivados a participar da reunião. Além dos comunitários, foram convocados para a reunião, os representantes das instituições parceiras na cidade de Juruá, que também compõem o conselho deliberativo.

A expedição também teve o objetivo de instalar placas sinalizadoras nas comunidades da RESEX. Foram instaladas, com o apoio dos comunitários, 13 placas com a nomenclatura de cada comunidade pertencente a Reserva. Com as placas sinalizadoras quem passa em frente ou pretende entrar na comunidade, sabe que esta, integra uma unidade de conservação federal, estando sujeito as regras estabelecidas no plano de manejo da unidade. As placas também representam um marco físico para as comunidades, fortalecendo o sentimento de pertencimento a reserva extrativista. As atividades foram realizadas com recursos do Programa Áreas Protegidas da Amazônia (ARPA).

FONTE: ICMBio / Órgão Gestor da RESEX do Baixo Juruá (AM)

Notícias, Notícias sobre o Arpa

Painel Científico de Aconselhamento do Arpa vai avaliar propostas de criação e consolidação de novas UCs

Por Fábia Galvão e Renata Gatti

O Painel Científico de Aconselhamento (PCA) do Arpa retomou suas atividades na última sexta-feira (13). O grupo de pesquisadores que fornece orientações ao Programa baseado em informações técnicas e científicas esteve reunido em Brasília (DF) com a Unidade de Coordenação do Programa (UCP) para discutir as novidades e mudanças em relação ao início da execução da Fase III do Arpa.

Na abertura do encontro, Sérgio Carvalho, Diretor de Áreas Protegidas da Secretaria de Biodiversidade e Florestas do Ministério do Meio Ambiente (SBF/MMA),  demonstrou seu contentamento em poder contar com a dedicação dos cinco especialistas no processo de continuidade do Programa. “As avaliações e pareceres dos membros do PCA serão especialmente importantes no atual momento, em que estamos nos preparando para apoiar a criação e a consolidação de novas Unidades de Conservação”, ressaltou o gestor.

Sérgio Carvalho se referiu às convocações que o Programa Arpa está fazendo, por meio de chamadas públicas, para apoiar a criação e a consolidação e manutenção de novas Unidades de Conservação (UCs). O planejamento de trabalho para o PCA em 2015, elaborado durante a reunião, terá essas avaliações como foco. Também foi pontuada a importância do envolvimento dos especialistas no planejamento, execução e monitoramento do Programa Arpa.

Durante o encontro, Thiago Barros, coordenador da UCP, elencou a avaliação das propostas submetidas pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) para apoio financeiro ao desenvolvimento de estudos de criação de UCs na região sul do Amazonas. Todos os participantes da reunião votaram pela aprovação das áreas de Juqui / Sepoti, Acari, Manicorezinho / Aripuanã, Mari-Mari / Sucunduri e Guariba.

Participaram da reunião os membros do PCA Eduardo Martins Venticinque, Mary Alegretti, Marcos Amend e Maria Auxiliadora Drumond. Também participaram Thiago Barros, Marco Bueno, Renata Gatti e Luciana Lima (Departamento de Áreas Protegidas / MMA).

Saiba mais
Sobre o PCA
O Painel Científico de Aconselhamento do Arpa tem a missão de avaliar propostas de apoio à criação e consolidação de novas UCs, analisar a metodologia de seleção de áreas e sugerir a aplicação de recursos e monitoramento. Os especialistas do PCA também devem sugerir melhorias ao processo de planejamento, execução e monitoramento do Programa.

Fazem parte da atual composição do PCA Britaldo Soares Filho (Mudanças Climáticas), Eduardo Martins Venticinque (Biodiversidade), Mary Alegretti (Socioambiental), Marcos Amend (Valoração Ambiental), Maria Auxiliadora Drumond (Efetividade e gestão) e José Antonio Marengo (especialista em mudanças climáticas convidado).

Notícias, Notícias sobre o Arpa

Comitê do Fundo de Trânsição do Arpa aprova a nova política de investimentos do Programa

Por Renata Gatti

No dia 10 de fevereiro, os membros do Comitê do Fundo de Transição (CFT) do Arpa se reuniram em Brasília para discutir as rotinas do grupo. Durante o encontro, o presidente Paulo Sodré e a vice-presidente Avecita Chicchon assinaram a Política de Investimentos aprovada pelos membros do CFT.

A Política de Investimento é o documento que estabelece as regras e os princípiosa serem observados para a aplicação dos recursos do Fundo de Transição (FT), com vistas a assegurar a conservação da biodiversidade e dos serviços ecossistêmicos em 60milhões de hectares da Amazônia Brasileira. A meta deve ser cumprida por meio da gestão efetiva das Unidades de Conservação (UCs) apoiadas pelo Programa Arpa durante os 25 anos que compõem a sua Fase III.

Comitê do Fundo de Transição reunido em Brasília. Foto: Paulo de Araújo/ MMA

A última reunião do CFT também atualizou o status de execução das 7 UCs que receberam recursos no primeiro desembolso do FT realizado em 2014, da situação do financiamento do Fundo Global para o Meio Ambiente (GEF) e da captação de recursos junto a novos doadores. O Coordenador do Arpa, Thiago Barros, apresentou o panorama atual de implementação das condições de desembolso que nortearão os próximos ciclos de desembolso do CFT para as UC apoiadas pelo Arpa.

Durante o encontro, foram apresentados ainda os principais resultados do Programa. Finalmente, a Missão de avaliação do Arpa, conduzida pelo Banco Mundial entre os dias 27 de janeiro e 10 de fevereiro de 2015, foi oficialmente finalizada.

Notícias, Notícias sobre o Arpa

Primeira reunião do Comitê do Arpa discute editais e contratos regionais

Correção das diárias de viagem de campo, atualização do PCA e outros assuntos também foram debatidos pelo grupo em Brasília (DF)

Por Fábia Galvão

 Na última quinta-feira (22/1), aconteceu em Brasília a primeira reunião de 2015 do Comitê do Arpa. Os representantes do grupo responsável pelas deliberações do planejamento estratégico do Programa discutiram as propostas de textos para os editais de criação, consolidação e manutenção de novas Unidades de Conservação e outras pautas.

Na abertura do encontro, Roberto Cavalcanti, Secretário de Biodiversidade e Florestas do Ministério do Meio Ambiente (SBF/MMA), destacou o caráter singular do Programa no contexto do Governo Federal. “Assumimos um compromisso de financiamento para as próximas décadas, temos objetivos pactuados que também são de longo prazo e estratégias definidas”, lembrou o secretário. Roberto também ressaltou a necessidade de valorizar os colegiados do Programa: “Temos que dar uma atenção maior a eles, por serem espaços que permitem a participação da sociedade civil”.

Novos editais

Detalhes sobre a chamada de propostas para apoio financeiro à consolidação e manutenção de Unidades de Conservação (UCs) pelo Arpa, relativa ao Planejamento Operacional Anual (POA) 2016/2017 do Programa, foram discutidos pelo comitê durante a reunião. O objetivo desse edital, que será divulgado em breve, é selecionar novas Unidades até o limite de 2 milhões de hectares.

Comitê do Arpa reunido em Brasília. Foto: Martim Garcia (Ascom/MMA)

Segundo Thiago Barros, coordenador da Unidade de Coordenação do Programa (UCP), esse documento foi elaborado a partir das normativas do novo Manual Operacional (MOP) do Arpa, que norteia a Fase III do Programa. “Nessa perspectiva, as UCs selecionadas nessa chamada devem ser consolidadas até 2019. Nossa meta é ter 60 milhões de hectares protegidos no âmbito do Arpa”, destacou o coordenador.

Parque, Reserva Biológica, Estação Ecológica, Reserva Extrativista ou Reserva de Desenvolvimento Sustentável são as categorias de UCs que podem ser apoiadas pelo Arpa. Outras informações serão disponibilizadas no texto do edital.

Já a chamada de propostas para apoio financeiro ao processo de criação de UCs pelo Arpa relativa ao POA 2014/2015 também será publicada em breve. Fabiano Silva, representante da Fundação Vitória Amazônica (FVA), sugeriu que as propostas incluam uma análise de contexto, que detalhe as oportunidades de criação da UC e em que medida as populações locais estarão efetivamente envolvidas nesse esforço.

Contratos regionais

Thiago Barros falou sobre o que foi feito em relação aos contratos regionais após a 2ª reunião do Fórum Técnico do Arpa, que aconteceu em novembro de 2014. Segundo o coordenador da UCP, foram levantados e repassados aos gestores os dados necessários à formulação das condições para elaboração dos contratos, bem como as informações sobre os insumos planejados por cada UC separados por componente. Após a discussão das propostas elaboradas a partir dessas informações, o Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio) enviou as minutas dos contratos de combustíveis e embarcações ao Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

Auditorias

Fábio Leite, gerente da Área de Programas do Funbio, fez um informe sobre auditorias do Arpa que já aconteceram e estão previstas. Segundo o gerente, as auditorias financeiras externa e interna de 2013 foram aprovadas com algumas recomendações, assim como a auditoria do Banco Mundial, um dos doadores do Programa, sobre todos os processos de compras realizados em 2014. Em 2015, já foi iniciada a auditoria financeira externa. A interna deve ocorrer em meados do ano e a do Banco Mundial no fim do ano.

Fábio Leite lembrou que a execução total da Fase II do Programa Arpa, iniciada em 2010 e até o momento, é de mais de R$ 48 milhões. Já o total parcial da execução do POA 2013/2014 é de R$12,9 milhões. “A execução poderia chegar a 40 milhões no POA 2015-2016”. Para Fábio, o alcance dessa meta passa pelo foco em contratos regionais e pela qualificação dos fornecedores e em processos centrais que tenham ações específicas, como a realização de seminários pra debater e formular os termos de referência dos planos de manejos.

Correção das diárias e novo PCA

Sobre a correção dos valores das diárias de viagem fornecidas no âmbito do Programa,  a proposta de que haja a equiparação dos valores das diárias de campo (R$90) e cidade (R$150) ao menor valor pago pelo Governo Federal (R$177) foi aprovada pelo comitê. Entretanto, o Funbio precisa de um tempo hábil para implementar essa mudança e em breve anunciará a alteração.

Com relação à atualização da composição do Painel Científico deAconselhamento (PCA), o representante do Departamento de Políticas de Combate ao Desmatamento (DPCD/MMA), Francisco Oliveira, defendeu que seja feita a consulta entre os atuais membros da comissão. “Precisamos saber se eles têm interesse em permanecer no grupo, considerando que em 2015 o PCA será mais acionado pelo Arpa”, explicou. Sérgio Carvalho, diretor de áreas protegidas da Secretaria de Biodivesidade e Florestas (SBF/MMA),  também ressaltou a necessidade dar mais transparência a esse grupo, por meio da realização de reuniões e outros encontros.

Doações e contas vinculadas – Antônio Sena, do ICMBio,  consultou o Funbio sobre a possibilidade de fazer as doações do componente 2.3 diretamente para as comunidades locais e Fábio Leite explicou que isso pode acontecer desde que algumas condições sejam atendidas, como os beneficiários terem Pessoa Jurídica e os itens doados serem rastreáveis.

Sobre a possibilidade de que as contas vinculadas de algumas UCs sejam abertas nos municípios mais próximos às suas localidades,será feito um levantamento que Unidades estão tendo problemas para fazer pagamento com cheques em suas regiões. Essas informações serão repassadas ao Funbio que, por sua vez, vai verificar a viabilidade da abertura das contas vinculadas em agências locais.

Participaram da primeira reunião do Comitê do Programa representantes do MMA, Associação Brasileira de Entidades Estaduais de Meio Ambiente (ABEMA), FVA, ICMBio, Funbio, SOS Amazônia, e da comissão de gestores do Programa Arpa. Acompanhe as novidades do Comitê e saiba mais sobre o Arpa em www.programaarpa.gov.br.

Notícias, Notícias das Unidades de Conservação

Resex do Alto Tarauacá (AC) comemora aniversário com conselheiros

A Reserva Extrativista (Resex) do Alto Tarauacá (AC) reuniu seu Conselho Deliberativo nos dias 12 e 13 de novembro para mais uma reunião ordinária. Na ocasião, foi discutido o papel do conselheiro e elaborado o Plano de Trabalho para o próximo ano. “Esta foi uma ocasião muito especial, pois pela primeira vez ocorreu a renovação do mandato dos conselheiros após a criação do Conselho, em dezembro 2010”, afirmou Camilla Helena da Silva, chefe da Resex.
Também houve apresentação da nova diretoria da Associação dos Serigueiros Agricultores Ribeirinhos do Alto Tarauacá (Asareat), discussão do Perfil do Beneficiário da Resex e apresentação dos resultados das pesquisas com quelônios e caça realizadas pelo Centro Nacional de Pesquisa e Conservação da Sociobiodiversidade Associada a Povos e Comunidades Tradicionais (CNPT) na Unidade. Ao final da reunião, foi comemorado com bolo e muita festa o aniversário de 14 anos da Reserva Extrativista, completados em 8 de novembro, e o início do mandato dos novos conselheiros.

Participaram da atividade Francisco José Figueiredo de Souza, da Resex do Alto Juruá; Rosenil Dias de Oliveira, da Base Avançada do CNPT em Rio Branco, além de Raimundo Maciel D ́avila e Camilla Helena da Silva, gestores da Resex do Alto Tarauacá. A atividade contou com o apoio do Programa Áreas Protegidas da Amazônia (Arpa).

 

* Matéria publicada no ICMBio em Foco 322
Notícias, Notícias das Unidades de Conservação

Parque Nacional da Serra do Pardo (PA) retoma reuniões do conselho

Entre os dias 19 e 20 de março de 2014 foi realizada na Base 1 do Parque Nacional da Serra do Pardo, no Pará, a segunda reunião do Conselho Consultivo da unidade de conservação (UC). Entre os temas abordados estiveram a elaboração do plano de manejo e a demarcação da unidade, que devem ocorrer ainda em 2014 com o apoio do Projeto Terra do Meio.

Além disso, foi realizada uma breve capacitação sobre plano de manejo, em que foram apresentados termos importantes para construção do documento e que serão aprofundados na oficina de planejamento participativo que ocorrerá no mês de junho.

O conselho debateu ainda a situação da população tradicional que vive na localidade. Foram esclarecidas várias dúvidas acerca dos usos dos moradores, determinando um calendário de ações para que haja um levantamento do perfil e diagnóstico participativo desses usos.

A Fundação Nacional do Índio (Funai) e a liderança indígena Inamoa Parakanã estiveram presentes na reunião, propondo um novo encontro para integrar as ações de proteção da Funai e Instituto Chico Mendes no Rio Xingu.

Por fim, um plano de ação foi estabelecido, buscando prever as atividades relacionadas à
regularização fundiária, proteção, pesquisa, termo de compromisso e plano de manejo. O Coordenador Regional da CR-3 reforço ainda a importância da participação social na gestão das unidades de conservação e agradeceu a oportunidade de dividir experiências com o conselho.

Na ocasião foi apresentada a nova gestora do parque, a analista ambiental Leidiane Diniz Brusnello, que agradeceu a disponibilidade dos conselheiros em participar da reunião e solicitou o apoio de todos para realizar um bom trabalho na gestão, que até então estava sem um responsável.

Comunicação ICMBio
(61) 3341-9280

* Matéria publicada no site do ICMBio em 25/03/2014

Notícias, Notícias das Unidades de Conservação

Conselho da Resex Verde para Sempre (PA) tem reunião extraordinária

Após a formação do Conselho Deliberativo da Reserva Extrativista (Resex) Verde para Sempre, com o apoio do Projeto Terra do Meio, foi realizada, nos dia 10 e 11 de dezembro, reunião extraordinária do conselho, em Porto de Moz (PA). O encontro contou com a presença de 60 participantes, entre conselheiros, residentes da Resex, representantes da Diretoria de Ações Socioambientais e Consolidação Territorial em UCs (Disat/ICMBio), do Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio), da Ambiente Consultoria e do Ministério da Pesca e Aquicultura (MPA). Na ocasião, já foi agendada para os dias 7 e 8 de fevereiro a primeira reunião ordinária para o exercício de 2014, a qual já tem como uma das pautas a eleição para a renovação da composição do conselho.

A atual chefe da Resex, Rose Paes, tomou posse na presidência do conselho, ficando o coordenador da Coordenação Regional 3 do ICMBio (CR3), Carlos Pinheiro, como seu suplente. Ainda foi composta a Secretaria Executiva, representada pelo Comitê de Desenvolvimento Sustentável de Porto de Moz (CDS), Movimento Sindical de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais (MSTTR) e a Colônia de Pescadores de Porto de Moz (Z-64).

Em resposta às demandas da Resex, foram entregues cinco autorizações prévias à análise do Plano de Manejo para as comunidades de Inumbi, Associação Baixo Acariá, Associação Deus Proverá, Associação de Itapeuá e Associação Curuminim, o que fortalecerá os residentes no uso sustentável dos recurso madeireiros. Foi ressaltado o procedimento para solicitação de abertura de áreas de roça para cultivo de subsistência, tendo como base legal a IN 04/2009.

Ainda foram apresentados e aprovados os projetos de pesquisa “O Conselho Deliberativo da Resex Verde para Sempre – formação, representação e gestão – Um estudo de caso”, de Rejane Andrade, da Universidade Federal do Pará (UFPA), e “Levantamento e classifda composição do conselho.

A atual chefe da Resex, Rose Paes, tomou posse na presidência do conselho, ficando o coordenador da Coordenação Regional 3 do ICMBio (CR3), Carlos Pinheiro, como seu suplente. Ainda foi composta a Secretaria Executiva, representada pelo Comitê de Desenvolvimento Sustentável de Porto de Moz (CDS), Movimento Sindical de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais (MSTTR) e a Colônia de Pescadores de Porto de Moz (Z-64).

Em resposta às demandas da Resex, foram entregues cinco autorizações prévias à análise do Plano de Manejo para as comunidades de Inumbi, Associação Baixo Acariá, Associação Deus Proverá, Associação de Itapeuá e Associação Curuminim, o que fortalecerá os residentes no uso sustentável dos recurso madeireiros. Foi ressaltado o procedimento para solicitação de abertura de áreas de roça para cultivo de subsistência, tendo como base legal a IN 04/2009.

Ainda foram apresentados e aprovados os projetos de pesquisa “O Conselho Deliberativo da Resex Verde para Sempre – formação, representação e gestão – Um estudo de caso”, de Rejane Andrade, da Universidade Federal do Pará (UFPA), e “Levantamento e classificação dos solos e cobertura vegetação de ocorrência na es, tomou posse na presidência do conselho, ficando o coordenador da Coordenação Regional 3 do ICMBio (CR3), Carlos Pinheiro, como seu suplente. Ainda foi composta a Secretaria Executiva, representada pelo Comitê de Desenvolvimento Sustentável de Porto de Moz (CDS), Movimento Sindical de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais (MSTTR) e a Colônia de Pescadores de Porto de Moz (Z-64).

Em resposta às demandas da Resex, foram entregues cinco autorizações prévias à análise do Plano de Manejo para as comunidades de Inumbi, Associação Baixo Acariá, Associação Deus Proverá, Associação de Itapeuá e Associação Curuminim, o que fortalecerá os residentes no uso sustentável dos recurso madeireiros. Foi ressaltado o procedimento para solicitação de abertura de áreas de roça para cultivo de subsistência, tendo como base legal a IN 04/2009.

Ainda foram apresentados e aprovados os projetos de pesquisa “O Conselho Deliberativo da Resex Verde para Sempre – formação, representação e gestão – Um estudo de caso”, de Rejane Andrade, da Universidade Federal do Pará (UFPA), e “Levantamento e classificação dos solos e cobertura vegetação de ocorrência na es, tomou posse na presidência do conselho, ficando o coordenador da Coordenação Regional 3 do ICMBio (CR3), Carlos Pinheiro, como seu suplente. Ainda foi composta a Secretaria Executiva, representada pelo Comitê de Desenvolvimento Sustentável de Porto de Moz (CDS), Movimento Sindical de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais (MSTTR) e a Colônia de Pescadores de Porto de Moz (Z-64).

Em resposta às demandas da Resex, foram entregues cinco autorizações prévias à análise do Plano de Manejo para as comunidades de Inumbi, Associação Baixo Acariá, Associação Deus Proverá, Associação de Itapeuá e Associação Curuminim, o que fortalecerá os residentes no uso sustentável dos recurso madeireiros. Foi ressaltado o procedimento para solicitação de abertura de áreas de roça para cultivo de subsistência, tendo como base legal a IN 04/2009.

Ainda foram apresentados e aprovados os projetos de pesquisa “O Conselho Deliberativo da Resex Verde para Sempre – formação, representação e gestão – Um estudo de caso”, de Rejane Andrade, da Universidade Federal do Pará (UFPA), e “Levantamento e classificação dos solos e cobertura vegetação de ocorrência na Resex Verde para Sempre”, da Dsc. Dra. Rosa Paes (ICMBio) e Dsc. Dr. Raimundo Cosme, coordenador do grupo de pesquisa da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária % composta a Secretaria Executiva, representada pelo Comitê de Desenvolvimento Sustentável de Porto de Moz (CDS), Movimento Sindical de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais (MSTTR) e a Colônia de Pescadores de Porto de Moz (Z-64).

Em resposta às demandas da Resex, foram entregues cinco autorizações prévias à análise do Plano de Manejo para as comunidades de Inumbi, Associação Baixo Acariá, Associação Deus Proverá, Associação de Itapeuá e Associação Curuminim, o que fortalecerá os residentes no uso sustentável dos recurso madeireiros. Foi ressaltado o procedimento para solicitação de abertura de áreas de roça para cultivo de subsistência, tendo como base legal a IN 04/2009.

Ainda foram apresentados e aprovados os projetos de pesquisa “O Conselho Deliberativo da Resex Verde para Sempre – formação, representação e gestão – Um estudo de caso”, de Rejane Andrade, da Universidade Federal do Pará (UFPA), e “Levantamento e classicação dos solos e cobertura vegetação de ocorrência na Resex Verde para Sempre”, da Dsc. Dra. Rosa Paes (ICMBio) e Dsc. Dr. Raimundo Cosme, coordenador do grupo de pesquisa da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária % composta a Secretaria Executiva, representada pelo Comitê de Desenvolvimento Sustentável de Porto de Moz (CDS), Movimento Sindical de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais (MSTTR) e a Colônia de Pescadores de Porto de Moz (Z-64).

Em resposta às demandas da Resex, foram entregues cinco autorizações prévias à análise do Plano de Manejo para as comunidades de Inumbi, Associação Baixo Acariá, Associação Deus Proverá, Associação de Itapeuá e Associação Curuminim, o que fortalecerá os residentes no uso sustentável dos recurso madeireiros. Foi ressaltado o procedimento para solicitação de abertura de áreas de roça para cultivo de subsistência, tendo como base legal a IN 04/2009.

Ainda foram apresentados e aprovados os projetos de pesquisa “O Conselho Deliberativo da Resex Verde para Sempre – formação, representação e gestão – Um estudo de caso”, de Rejane Andrade, da Universidade Federal do Pará (UFPA), e “Levantamento e classificação dos solos e cobertura vegetação de ocorrência nResex Verde para Sempre”, da Dsc. Dra. Rosa Paes (ICMBio) e Dsc. Dr. Raimundo Cosme, coordenador do grupo de pesquisa da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária % composta a Secretaria Executiva, representada pelo Comitê de Desenvolvimento Sustentável de Porto de Moz (CDS), Movimento Sindical de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais (MSTTR) e a Colônia de Pescadores de Porto de Moz (Z-64).

Em resposta às demandas da Resex, foram entregues cinco autorizações prévias à análise do Plano de Manejo para as comunidades de Inumbi, Associação Baixo Acariá, Associação Deus Proverá, Associação de Itapeuá e Associação Curuminim, o que fortalecerá os residentes no uso sustentável dos recurso madeireiros. Foi ressaltado o procedimento para solicitação de abertura de áreas de roça para cultivo de subsistência, tendo como base legal a IN 04/2009.

Ainda foram apresentados e aprovados os projetos de pesquisa “O Conselho Deliberativo da Resex Verde para Sempre – formação, representação e gestão – Um estudo de caso”, de Rejane Andrade, da Universidade Federal do Pará (UFPA), e “Levantamento e classificação dos solos e cobertura vegetação de ocorrência nResex Verde para Sempre”, da Dsc. Dra. Rosa Paes (ICMBio) e Dsc. Dr. Raimundo Cosme, coordenador do grupo de pesquisa da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária % composta a Secretaria Executiva, representada pelo Comitê de Desenvolvimento Sustentável de Porto de Moz (CDS), Movimento Sindical de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais (MSTTR) e a Colônia de Pescadores de Porto de Moz (Z-64).

Em resposta às demandas da Resex, foram entregues cinco autorizações prévias à análise do Plano de Manejo para as comunidades de Inumbi, Associação Baixo Acariá, Associação Deus Proverá, Associação de Itapeuá e Associação Curuminim, o que fortalecerá os residentes no uso sustentável dos recurso madeireiros. Foi ressaltado o procedimento para solicitação de abertura de áreas de roça para cultivo de subsistência, tendo como base legal a IN 04/2009.

Ainda foram apresentados e aprovados os projetos de pesquisa “O Conselho Deliberativo da Resex Verde para Sempre – formação, representação e gestão – Um estudo de caso”, de Rejane Andrade, da Universidade Federal do Pará (UFPA), e “Levantamento e classificação dos solos e cobertura vegetação de ocorrência na Resex Verde para Sempre”, da Dsc. Dra. Rosa Paes (ICMBio) e Dsc. Dr. Raimundo Cosme, coordenador do grupo de pesquisa da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). As propostas têm como principal objetivo o fortalecimento do conselho e o reconhecimento da paisagem desta unidade de conservação (UC), sendo que a segunda proposta resultará na transferência de tecnologia para melhor uso do solo.

Durante a reunião, a Ambiente Consultoria apresentou o projeto de Assistência Técnica Extrativista – Chamada Pública proposto pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), que visa a prestação de assistência técnica e extensão rural em UCs de uso sustentável, que já se encontra em campo, e cuja primeira visita para realização de diagnóstico ocorreu no setor baixo do rio Jaurucu – comunidades do Carmelino, Arirua, Jussará, Santa Clara, Fazendinha e São Francisco.

O coordenador regional, Carlos Pinheiro, informou sobre a doação da madeira retirada pelo empreendimento de construção da Hidroelétrica de Belo Monte, que será para uso exclusivo dos moradores da Resex Verde para Sempre.
Coificação dos solos e cobertura vegetação de ocorrência na Resex Verde para Sempre”, da Dsc. Dra. Rosa Paes (ICMBio) e Dsc. Dr. Raimundo Cosme, coordenador do grupo de pesquisa da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). As propostas têm como principal objetivo o fortalecimento do conselho e o reconhecimento da paisagem desta unidade de conservação (UC), sendo que a segunda proposta resultará na transferência de tecnologia para melhor uso do solo.

Durante a reunião, a Ambiente Consultoria apresentou o projeto de Assistência Técnica Extrativista – Chamada Pública proposto pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), que visa a prestação de assistência técnica e extensão rural em UCs de uso sustentável, que já se encontra em campo, e cuja primeira visita para realização de diagnóstico ocorreu no setor baixo do rio Jaurucu – comunidades do Carmelino, Arirua, Jussará, Santa Clara, Fazendinha e São Francisco.

O coordenador regional, Carlos Pinheiro, informou sobre a doação da madeira retirada pelo empreendimento de construção da Hidroelétrica de Belo Monte, que será para uso exclusivo dos moradores da Resex Verde para Sempre.
Comunicação ICMBio
(61) 3341-9280

 

* Matéria publicada no site do ICMBio em 20/12/2013