Notícias, Notícias das Unidades de Conservação

Feira dos Povos reúne diversidade cultural do Médio Xingu

Evento conta com a participação de seis Unidades de Conservação federais

 © Todos os direitos reservados. Foto: Bruna Schrickte

Formada por áreas protegidas de fundamental importância para a conservação da floresta e dos territórios de povos indígenas e comunidades tradicionais, a região do Médio Xingu, no Pará, sediará um evento à altura da sua diversidade sociocultural: a primeira Feira dos Povos do Médio Xingu.

Uma realização do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) em parceria com a Fundação Nacional do Índio (Funai), a Feira acontece nos dias 20 e 21 de junho, das 16h às 20h, na Praça Matias, em Altamira (PA). O objetivo do evento é mostrar a riqueza cultural da região, o potencial relativo aos produtos da agrobiodiversidade, a cadeia produtiva do artesanato e a importância dos povos indígenas e extrativistas.

Por conta das suas estreitas relações com a natureza e do conhecimento que possuem do ambiente onde vivem, essas populações são consideradas verdadeiras guardiãs da biodiversidade. A primeira Feira dos Povos do Médio Xingu contará com a participação de indígenas pertencentes a três troncos linguísticos distintos e com costumes singulares – Tupi, Macro-Jê e Karib – além de seringueiros, castanheiros, pescadores, coletores de óleos e sementes, entre outros.

De acordo com o chefe da Reserva Extrativista (Resex) Riozinho do Anfrísio, Rafael Barboza, a ideia é que a Feira dos Povos se consolide como um evento anual. “Queremos dar visibilidade aos moradores das Unidades de Conservação, pois eles têm uma produção muito orgânica, porém pouco conhecida nas cidades da região. Outra finalidade do evento é promover um intercâmbio entre as próprias comunidades. O nosso território é tão grande que muitas delas não se conhecem entre si”, explica Barboza.

Selo-Arpa1Além da Resex Riozinho do Anfrísio, também participam do evento as seguintes Unidades de Conservação federais: Resex Rio Xingu, Resex Rio Iriri, Resex Verde para Sempre, Parque Nacional da Serra do Pardo e Estação Ecológica da Terra do Meio. A Feira terá exibição de filmes, rodas de conversa, mostra fotográfica, comercialização de produtos, entre outras atividades.

Confira a programação.

Comunicação ICMBio
(61) 2028-9280
* Matéria assinada por Nana Brasil e publicada em 10/06/2015 no site do IMCBio

 

Notícias, Notícias das Unidades de Conservação

Extrativistas da Terra do Meio (PA) visitam Rádio Nacional da Amazônia

Extrativistas da Terra do Meio, no sul do Pará, visitaram a Rádio Nacional da Amazônia e falaram de seus problemas e de algumas das iniciativas socioambientais desenvolvidas na região. Confira o áudio da conversa

Selo-Arpa1Na semana passada, os extrativistas Lauro Freitas e Edileno Camilo de Oliveira estiveram na sede da Rádio Nacional da Amazônia, em Brasília. Eles moram na Terra do Meio, no sul do Pará, uma das áreas de maior importância para a conservação da biodiversidade da Amazônia, onde estão localizadas as Reservas Extrativistas (Resex) do Riozinho do Anfrísio, do Iriri e do Xingu.

Eles participaram do programa Nossa Terra, do radialista Ayrtom Medeiros, que comandou uma conversa descontraída e muito emocionante. Naldo Lima e Carolina Reis, que trabalham no ISA com as populações extrativistas da região, também participaram do programa.

As populações da Amazônia recebem pelas ondas da Rádio Nacional notícias dos centros urbanos e de toda a região. Em algumas áreas isoladas, a rádio é o único meio de comunicação de massa acessível, daí a grande identificação das populações ribeirinhas com a emissora.

Ouça a conversa e conheça um pouco mais da Terra do Meio, região que abriga algumas das mais emblemáticas Unidades de Conservação da Amazônia.

* Matéria publicada no site do ISA em 24/04/2015

 

Notícias, Outras Notícias

I Semana do Extrativismo debate estratégias de desenvolvimento para a Terra do Meio (PA)

Na Resex do Rio Xingu (PA), cerca de 30 participantes entre extrativistas, representantes de empresas e organizações da sociedade civil participaram da I Semana do Extrativismo. Avaliaram trabalho realizado, incluindo propostas e ações para o extrativismo na região

Versão para impressão

A primeira Semana do Extrativismo promovida pelo ISA e pelas associações de moradores das três Reservas Extrativistas (Resex)da Terra do Meio (Amora- Riozinho do Anfrísio, Amorex- Xingu e Amoreri- Iriri), de 5 a 7 de maio, teve como tema central os multiprodutos da floresta nesta região e os contratos diferenciados de comercialização para cada um deles, aí incluídos borracha, castanha, óleos de babaçu, andiroba, copaíba, farinhas, frutas e sementes florestais. Além dos extrativistas, também participaram do evento representantes do Sebrae, Fundação Rainforest da Noruega, Imaflora, um consultor do BNDES para o Programa de Desenvolvimento Regional sustentável do Xingu (PDRSX), Fundação Viver, Produzir e Preservar (FVPP) e das empresas Mercur, Natura e Cacauway.

Durante a Semana do Extrativismo intercâmbio técnico tratou do corte da seringa

Corte de seringa, como parte do intercâmbio

Durante três dias, os participantes avaliaram o trabalho que vem sendo desenvolvido na região há seis anos e debateram propostas de desenvolvimento de tecnologias, arranjos produtivos, politicas públicas e estratégias de comercialização de produtos da floresta.

Jorge Hoelzel, um dos sócios da empresa Mercur, que compra borracha natural das três Resex, anunciou a renovação de contrato e reajuste de preços por mais três anos. O ajuste se deu com base nos custos de produção e logística praticados na região – algumas comunidades distam cerca de 500 km, por rio, do centro urbano mais próximo. Com isso, o reajuste ficou cerca de 300% acima do valor de mercado da borracha. A notícia animou mais extrativistas a retomar áreas de extração que estavam paradas por falta de incentivos.

“Além da borracha, há outras centenas de produtos nas florestas, de conhecimento das populações tradicionais, que não chegam aos mercados por falta de políticas adequadas de comercialização e distribuição e de incentivo tanto para produtores quanto para potenciais compradores”, avalia Marcelo Salazar, coordenador adjunto do Programa Xingu do ISA, que trabalha com os extrativistas da Terra do Meio.

O primeiro passo foi a borracha

A retomada da produção de borracha natural na Terra do Meio estava na lista de prioridades das famílias extrativistas desde a criação das Reservas entre 2004 e 2008. Há seis anos, o ISA, em parceria com o Imaflora, a FVPP, e o ICMBio buscam parceiros que acreditam ser possível melhorar a qualidade de vida e a renda das comunidades tradicionais que vivem nessa região, a partir da promoção de multiprodutos, comercializados a partir de contratos diferenciados, que respeitem e valorizem os serviços socioambientais prestados pelas comunidades que vivem na floresta.

Roda de conversa entre extratvistas, empresas e apoiadores

A Mercur acreditou nesta ideia há quatro anos e hoje reconhece o valor do modo de vida, da cultura desses povos tradicionais e da floresta em pé e pratica por isso um valor diferenciado para a borracha da região e investe no desenvolvimento de modelos de negócios e tecnologias que respeitem a tradição local e forneçam um tipo de borracha de alta qualidade com as características de que a empresa necessita.

À borracha veio se juntar uma cesta de produtos não madeireiros comercializados e consumidos nas Resex da Terra do Meio que aumenta a cada ano. Castanha, óleos de babaçu, andiroba, copaíba, farinhas, frutas e sementes fazem parte da rotina de produção das famílias na busca de consolidar uma economia diversificada, baseada na diversidade socioambiental da região.
Embora as dificuldades logísticas sejam muitas, já que uma viagem até Altamira na época da seca pode levar até 20 dias, a criação de “cantinas”, pequenos pontos de comercialização nas Resex, tem mudado para melhor a vida dos extrativistas.

Oficina de prensagem de borracha foi uma das atividades do encontro

Para se ter uma ideia, a borracha e a castanha eram vendidas em grande escala para os regatões (barcos que passam pelos rios vendendo produtos como roupas, alimentos, medicamentos etc e trocando-os por produtos das roças e da floresta) ou patrões, numa prática comercial de preços baixos para a produção e altos para as mercadorias vendidas aos extrativistas. Além disso, grande parte dessa comercialização era baseada numa cadeia de créditos e dívidas onde o extrativista muitas vezes não recebia pela produção a vista e em dinheiro.

As “cantinas” são mais uma opção de comercialização para os extrativistas e sua função é levar recursos, o capital de giro, para dentro das comunidades. As “cantinas” funcionam assim: as associações comunitárias obtém recursos a partir de projetos e doações e repassam a “cantineiros” escolhidos pelas comunidades. Esses “cantineiros’ utilizam os recursos recebidos para comprar os produtos extraídos da floresta das próprias comunidades e também para adquirir produtos industrializados a serem trocados com a produção dos extrativistas. As “cantinas” também vendem alguns alimentos a preço tabelado. Garantem, assim, que o extrativista receba em sua localidade por sua produção, no momento da entrega de seu produto, e compre mercadorias a preços estipulados coletivamente.

Mais do que vantagens na comercialização, as “cantinas” e o capital de giro significam independência e autonomia para as comunidades ao realizar a gestão de seus recursos coletivamente. Pedro Pereira, o primeiro cantineiro da região, iniciou o trabalho na Resex Riozinho do Anfrísio com a gestão de um fundo para compra de copaíba, para atender a um contrato com a Firmenish, empresa de perfumaria de origem Suíça, com fábrica no Brasil. Ele organiza a compra e a logística dos alimentos na cidade, gerencia e presta contas à comunidade. Além da copaíba, trabalha também com castanha, sementes florestais e borracha. “O capital de giro mudou a vida dos extrativistas, significa comida e dinheiro na hora”, diz Pedro.


Outros produtos ganham incentivo

Os produtos provenientes de comunidades como as Resex da Terra do Meio são uma indiscutível tendência de mercado. Assim, uma parceria iniciada em 2013 entre a fábrica de chocolates Cacauway e os extrativistas permitiu que a empresa fabricasse bombons utilizando o cacau e as castanhas das Resex.

“Há interesse da Cacauway em criar uma linha de produtos das Resex com identificação de origem”, afirma, Hélia Felix, a vice-presidente da Cooperativa de Agricultores Familiares (Coopatrans), situada no município de Medicilândia próximo à Altamira e que produz os bombons para a empresa.

Já a Natura, empresa de cosméticos brasileira, anunciou estar avaliando a possibilidade de adquirir oleaginosos das Resex e aproveitou para informar seu interesse pelo óleo de semente de Ucuúba ainda para 2014. Para 2015 há possibilidades de contratos com outros óleos como castanha, babaçu e andiroba a serem usados na fábrica de Benevides, próximo a Belém. Dessa forma, a produção da Terra do Meio caminha para a potencialização do modo de vida extrativista, com manejo de um conjunto variado de produtos extraídos da floresta de forma sustentável para uma comercialização diferenciada.

Ao final do encontro foi elaborado o manifesto da I Semana do Extrativismo da Terra do Meio, documento que contém um conjunto de reivindicações indicadoras de um programa de desenvolvimento para a região, baseado na riqueza socioambiental e na floresta em pé. O documento manifesto será entregue ao governador do Pará, Simão Jatene. Nele, os participantes pedem, por exemplo, a redução da pauta da borracha para R$ 2,00. Hoje a pauta está fixada em R$ 6,00 pelo governo estadual, sobre a qual incide o ICMS, de 12%, onerando o custo do produto vendido para empresas de fora do Pará. O manifesto defende ainda a criação de uma lei estadual de subvenção para produtos extrativistas, mas vai muito além disso defendendo que o Estado reconheça e aproveite o potencial da diversidade socioambiental da região e implemente políticas públicas e ações adequadas para o desenvolvimento de uma economia da floresta em pé (leia o texto na íntegra).


Sobre a Terra do Meio

A Terra do Meio é formada pelas Reservas Extrativistas (Resex) do Rio Iriri, do Riozinho do Anfrísio e Xingu, Área de Proteção Ambiental (APA) Triunfo do Xingu, Estação Ecológica (Esec) da Terra do Meio, Parque Nacional (Parna) da Serra do Pardo e as Terras Indígenas Cachoeira Seca, Xypaia, Curuaia, cobrindo uma área protegida de 8,48 milhões de hectares, conectados por uma malha de rios, florestas e populações tradicionais.
* Matéria publicada na edição 56 do Boletim Socioambiental ISA e disponível desde 9 de junho no site do Instituto

Notícias, Notícias dos Parceiros do Arpa

Estação Ecológica Terra do Meio forma brigada de combate a incêndio

De 8 a 14 de julho foi realizado na Estação Ecológica da Terra do Meio (PA) Curso de Formação de Brigada de Prevenção e Combate a Incêndio Florestal. A capacitação contou com o apoio dos instrutores José Lourenço, da Floresta Nacional de Ipanema/Acadebio, e Flúvio Mascarenhas, da Reserva Extrativista Chico Mendes, além de representantes do Exército Brasileiro em Altamira. O Instituto Chico Mendes também somou esforços para iniciar a implantação de um ponto de apoio na confluência da Transiriri com o Igarapé do Bala, atualmente um dos principais vetores de pressão na Unidade de Conservação. Esse processo de ocupação do território pelo ICMBio tem apoio da Coordenação-geral de Proteção (CGPRO/Diman), Prefeitura de Altamira, do Programa Áreas Protegidas da Amazônia (Arpa), Projeto Terra do Meio e Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio).

 

 

 

 

 

 

*Matéria publicada no ICMBio em foco no dia 25/07/2014

Notícias, Outras Notícias

Projeto Terra do Meio seleciona empresa para realização de levantamento fundiário na Esec Terra do Meio (PA)

O Projeto Terra do Meio, financiado pela União Europeia, tem a missão de contribuir com a redução do desmatamento e com a conservação da biodiversidade da região amazônica. O projeto está sob coordenação do MMA e é executado pelo ICMBio e SEMA/PA, e seus recursos são gerenciados pelo Funbio e aplicados na operacionalização de conselhos gestores, elaboração de planos de manejo e proteção, compra de equipamentos, monitoramento do uso de recursos naturais e na implementação de estratégias de desenvolvimento local sustentável.

Para participar do processo de seleção, as empresas/instituições interessadas deverão manifestar-se até o dia 23 de Julho de 2014, apresentando comprovação de capacidade técnica ou portfolios que demonstrem capacidade técnica para realização de trabalhos semelhantes aos requisitados no TdR.

Clique aqui para acessar o TdR.

Os documentos deverão ser enviados por e-mail para fernanda.jacintho@funbio.org.br , identificado como “Manifestação de interesse_ Consultoria PJ_ Levantamento fundiário na ESEC Terra do Meio_ e indicando o NOME da Instituição”.
Somente serão contatados para participação das demais etapas do processo, as empresas e instituições que cumprirem com os requisitos solicitados no TdR.

Os recursos para pagamento dos serviços advém do contrato assinado entre a Comunidade Europeia e o Funbio.

*Matéria publicada no site do Funbio em 14/07/2014

Notícias, Outras Notícias

Terra do meio seleciona consultoria pessoa física para elaboração de diagnóstico de unidades de paisagens naturais para o Parque Nacional do Jamaxim-PA

O Projeto Terra do Meio, financiado pela União Europeia, tem a missão de contribuir com a redução do des­matamento e com a conservação da biodiversidade da região amazônica. O projeto está sob coordenação do MMA e é executado pelo ICMBio e SEMA/PA, e seus recursos são gerenciados pelo Funbio e aplicados na operacionalização de conselhos gestores, elaboração de planos de manejo e proteção, compra de equipamentos, monitoramento do uso de recursos naturais e na implementação de estratégias de desenvolvimento local sustentável.

Como gestor financeiro do programa, o Funbio solicita que profissionais consultores que tiverem interesse em apresentar propostas relativas ao objeto abaixo descrito, que se manifestem enviando sua qualificação para desempenhar os serviços.

Objeto: Contratação de serviços de consultoria pessoa física para elaboração de mapas temáticos e o mapeamento das unidades de paisagem naturais do PARNA do Jamanxim-PA.

Clique aqui para visualizar o termo de referência (TdR) completo.

Para participar do processo seletivo, os interessados deverão preencher o questionário online até o dia 20/07/2014.

Clique aqui para acessar o questionário online.

Matéria publicada no site do Funbio em 09/07/2014

Notícias, Notícias dos Parceiros do Arpa, Notícias sobre o Arpa

Terra do Meio seleciona consultoria pessoa física para realizar coleta de informações sobre a situação dominial das áreas que compõem a Floresta Estadual (Flota) Iriri, no Pará

O Projeto Terra do Meio, financiado pela União Europeia, tem a missão de contribuir com a redução do des­matamento e com a conservação da biodiversidade da região amazônica. O projeto está sob coordenação do MMA e é executado pelo ICMBio e SEMA/PA, e seus recursos são gerenciados pelo Funbio e aplicados na operacionalização de conselhos gestores, elaboração de planos de manejo e proteção, compra de equipamentos, monitoramento do uso de recursos naturais e na implementação de estratégias de desenvolvimento local sustentável.

Clique aqui para ler o Termo de Referência completo, contendo o detalhamento das atividades a serem realizadas, o cronograma e as demais informações a serem esclarecidas. 

Para participar do processo seletivo, os interessados deverão preencher, até o dia 07 de Abril de 2014, um questionário online disponível aqui.https://docs.google.com/forms/d/1UXTw2iN-w_slW75a3GIye-5vyxgUe4jgwbo3Ji53ZBc/viewform

Somente serão contatados aqueles candidatos que se encaixam no perfil buscado e os mesmos serão selecionados para a fase seguinte do processo de seleção (análise de currículos).

Esperamos tornar este processo seletivo mais eficiente, por isso, nesta etapa inicial não serão considerados currículos enviados por e-mail.

* Publicado no site do Funbio em 31/03/2014

 

Notícias, Notícias das Unidades de Conservação, Notícias dos Parceiros do Arpa

Projeto Terra do Meio reinicia o processo para contratação de empresa de Consultoria para elaboração de Plano de Manejo da Floresta Estadual (Flota) Iriri (PA)

O Projeto Terra do Meio, financiado pela União Europeia, tem a missão de contribuir com a redução do desmatamento e com a conservação da biodiversidade da região amazônica. O projeto está sob coordenação do MMA e é executado pelo ICMBio e SEMA/PA, e seus recursos são gerenciados pelo Funbio e aplicados na operacionalização de conselhos gestores, elaboração de planos de manejo e proteção, compra de equipamentos, monitoramento do uso de recursos naturais e na implementação de estratégias de desenvolvimento local sustentável.Convidamos as empresas/instituições interessadas em participar do processo de seleção para elaboração do Plano de Manejo da Floresta Estadual do Iriri, a manifestar-se até o dia 31 de março de 2014, demonstrando que são qualificadas para desempenhar os serviços descritos no Termo de Referência 2013.0923.00006-0 apresentando comprovação de capacidade técnica adquirida a partir da realização de trabalhos que se enquadrem no perfil descrito para a realização da elaboração do Plano de Manejo.As manifestações de interesse e seus documentos, deverão ser encaminhados identificados como “Manifestação de Interesse para contratação de consultoria para elaboração de Plano de Manejo FES Iriri – Nome da sua empresa”, aos cuidados de Fernanda Jacintho, para fernanda.jacintho@funbio.org.br

Somente serão selecionados para participação no processo, as empresas e instituições que cumprirem com os requisitos solicitados. O processo será conduzido em acordo ao Manual para Contratações e Aquisições do Funbio.

Os recursos para pagamento dos serviços advém do contrato assinado entre a Comunidade Europeia e Funbio. O Funbio entrará em contato, solicitando propostas, somente às empresas que apresentarem capacidade técnica básica e cujas manifestações de interesse em realizar o serviço forem selecionadas.

* Matéria publicada no site do Funbio em 25/03/2014

Notícias, Notícias dos Parceiros do Arpa, Notícias sobre o Arpa, Uncategorized

Projeto Terra do Meio contrata empresa de Consultoria para realização de serviços topográficos de georreferenciamento e sinalização na RESEX Riozinho do Anfrísio (PA)

O Projeto Terra do Meio, financiado pela União Europeia, tem a missão de contribuir com a redução do des­matamento e com a conservação da biodiversidade da região amazônica. O projeto está sob coordenação do MMA e é executado pelo ICMBio e SEMA/PA, e seus recursos são gerenciados pelo Funbio e aplicados na operacionalização de conselhos gestores, elaboração de planos de manejo e proteção, compra de equipamentos, monitoramento do uso de recursos naturais e na implementação de estratégias de desenvolvimento local sustentável.Para participar do processo de seleção, as empresas/instituições interessadas deverão manifestar-se até o dia 21 de março de 2014, demonstrando que são qualificadas para desempenhar os serviços descritos no TdR abaixo, apresentando comprovação de capacidade técnica adquirida a partir da realização de trabalhos que se enquadrem no perfil para a realização dos serviços topográficos de georreferenciamento e sinalização na Reserva Extrativista Riozinho do Anfrísio.Os documentos deverão ser enviados por e-mail para jose.mauro@funbio.org.br, identificados como “Manifestação de interesse_ Consultoria PJ_ Serviços topográficos na RESEX Riozinho do Anfrísio e indicando o NOME da Instituição”.Somente serão selecionados para participação no processo, as empresas e instituições que cumprirem com os requisitos solicitados.

O processo será conduzido em acordo com as regras de Contratações e Aquisições da União Européia.

Os recursos para pagamento dos serviços advém do contrato assinado entre a Comunidade Europeia e Funbio.

Clique aqui para ter acesso ao TdR.

* Matéria publicada no site do Funbio em 13/03/2014

 

Notícias, Notícias das Unidades de Conservação, Notícias dos Parceiros do Arpa

Projeto Terra do Meio contrata empresa de Consultoria para realização de serviços topográficos de georreferenciamento e sinalização no Parque Nacional Serra do Pardo (PA)

O Projeto Terra do Meio, financiado pela União Europeia, tem a missão de contribuir com a redução do des­matamento e com a conservação da biodiversidade da região amazônica. O projeto está sob coordenação do MMA e é executado pelo ICMBio e SEMA/PA, e seus recursos são gerenciados pelo Funbio e aplicados na operacionalização de conselhos gestores, elaboração de planos de manejo e proteção, compra de equipamentos, monitoramento do uso de recursos naturais e na implementação de estratégias de desenvolvimento local sustentável.Para participar do processo de seleção, as empresas/instituições interessadas deverão manifestar-se até o dia 20 de março de 2014, demonstrando que são qualificadas para desempenhar os serviços descritos no TdR abaixo, apresentando comprovação de capacidade técnica adquirida a partir da realização de trabalhos que se enquadrem no perfil descrito para a realização dos serviços topográficos de georreferenciamento e sinalização no Parque Nacional Serra do PardoOs documentos deverão ser enviados por e-mail para jose.mauro@funbio.org.br, identificados como “Manifestação de interesse_ Consultoria PJ_ Serviços topográficos no PARNA Serra do Pardo e indicando o NOME da Instituição”.Somente serão selecionados para participação no processo, as empresas e instituições que cumprirem com os requisitos solicitados.

O processo será conduzido em acordo com as regras de Contratações e Aquisições da União Européia.

Os recursos para pagamento dos serviços advém do contrato assinado entre a Comunidade Europeia e Funbio.

Clique aqui para acessar o TdR

* Matéria publicada no site do Funbio em 12/03/2014